Savage Messiah

Banda: Savage Messiah

Título: “Demons”

Editora: Century Media

Data de Lançamento: 17.Maio.2019

Formados em 2007 em Londres por Dave Silver guitarrista e cantor a banda tem trazido consigo uma consistência e sobriedade de som que tem perdurado ao longo da carreira.

Desde o lançamento do último álbum “Hands of Fate” para “Demons” aconteceram algumas mudanças no alinhamento da banda. O baterista Andrea Gorio já não faz parte assim como o guitarrista Sam S. Júnior, embora ainda tenha gravado alguns solos. Não obstante e de acordo com registos antigos da banda em que a primeira faixa tinham uma evolução de som culminado num riff de abertura, aqui não acontece isso pois em “Virtual Signal” não há perdas de tempo em começar e dão logo o pontapé de partida numa bateria furiosa mergulhando num trash metal bem pesado. “What Demons may come” tem secção de solo de guitarra fenomenal e é irrepreensível em termos de secção vocal.

“Heretic in the Modern World” tem bateria evidenciada logo de início numa batida bem ritmada e as guitarras dão-nos um som com bastante groove acompanhado vocalmente num coro que até entra bem no ouvido. “Parachute” numa bem-feita cover de Chris Stapleton um escritor, cantor e guitarrista Norte Americano, traz aquele som mais calmo de início que irrompe numa composição a que a que chamo de baladas com power. Todo o som é mais calmo arrancado riffs e batidas de bateria nas secções de coro deixando-nos espicaçados para mais. Muito bem conseguido.

“Under no Illusions” não desaponta, num ritmo alucinante e com riffs e vocais a condizer, bem tirados e saídos da alma. Seguimos com “Downand Out” que segue o mote da anterior. Evidencia das guitarras novamente numa faixa cheia de ritmo e deveria se notar mais a secção de bateria, pois parece meio desvanecida e esta música merecia umas batidas bem evidenciadas a puxar todo o power do trash metal.

“TheLights are going down” é outra das músicas que nos mostram o outro lado mais calmo das coisas com notas limpas, um coro que canta com a alma e um grande solo melódico com um riff que trespassa o espírito. “The bitter Truth” põe gás na batida e é sempre a abrir com bateria bem ritmada e com conjugação perfeita de instrumentos. “Until the Shadows Fall” não destoa com secção de coro bem ritmada e com groove.

“Rise then Fall” tem riff brutal de início numa faixa sempre em ritmo vertiginoso com a bateria sempre a destilar batidas e com evidência da guitarra. Chegando à última faixa “Steal the faith in me” com arranque cheio de ritmo e um refrão muito cativante.

É um álbum de heavy e trash metal com diversidade rítmica tornando-se interessante e variado sonoramente. Muitas musicas ficam no ouvido pena é que em algumas faixas a bateria não estará tão evidenciada quanto deveria, mas isso já serão assuntos da produção.

Pontuação: 9/10

Por: Paula Pedroso

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.