Jesusoragun

Entrevista Jesusoragun
Por: Miguel Ribeiro

Hintf: Para começar, falem-nos um pouco do historial da banda, do vosso percurso até   formarem os Jesus or a Gun , como tudo começou…

BRUNO: Na sequência do trabalho que havia sido efetuado, no estúdio de casa, senti que estava na hora de tentar formar um projecto juntando malta que estivesse disponível, que acreditasse no projecto e na linha musical, que, no fundo e em geral, se constituí-se como uma mais valia para a equipa então a formar. Assim foi! Primeiramente, convidei o Miguel Marques para o baixo. Baixista que sublinhava os Led Zepplin como maior influência. Foi fácil a integração! O groove, o feeling e a entrega estava toda lá. Rapidamente começámos a alinhavar um tema, assim como o adiantar do contacto, por parte do Miguel, do Dieter como proposta de vocalista. Isto após vários castings e tentativas, conseguimos a voz e o frontman que precisávamos! Assim, rumamos os três à primeira aventura: Compor arduamente e sempre na senda em tentar encontrar um baterista que respirasse o ar que o projeto procurava. Passámos vários meses a trabalhar com diversos bateristas na ilha e, após várias tentativas, ora por falta de disponibilidade, ora pelo projecto JOAG (Jesus Or A Gun) não ser o que procuravam a título geral, surgiu a proposta em procurar novas possibilidades. O Dieter telefonou-me um dia propondo olharmos extra-muros e tentarmos um músico de sessão nos USA ou noutro país. Tínhamos três músicas prontas e queríamos gravar. Curioso que nenhuma destas músicas acabou por ser gravada no álbum de estreia THE ERUPTION. Já as tocámos ao vivo e, acredito, que farão parte do primeiro álbum. Apontamos para o primeiro trimestre de 2020 (fingers crossed). Lembro-me de ter visto o Nico a tocar no Funchal. O registo ao vivo foi brutal! Não hesitei em lançar o nome. No dia seguinte telefonei e fiz o pitch. O Nico pediu-nos as demos e ficou de nos dar uma resposta nessa semana. Passaram-se quase duas… andava então ocupado com o Festival Braga Blues. Após, ligou e disse que tinha gostado muito do que tinha ouvido e perguntou como seria a proposta. Lá acordamos as directrizes e colocámos o Nico no Funchal por uma semana para ensaios. Correu a mil! Seguimos para Braga, ½ mês depois, e gravámos o disco EP de estreia nos estúdios da Mobydick Records. O Nuno Correia foi o nome que o Miguel Marques adiantou e confiou para o substituir aquando da sua saída. O Nuno integrou-se super bem, quer a nível musical, quer no que respeita ao grupo de trabalho. Somos 4 em palco “de faca nos dentes!”.

Hintf: Podem explicar-nos o significado do nome escolhido?

DIETER: O nome da banda é retirado de um tema dos FUEL do final anos 90. Quando juntei-me à banda lembro-me de pensar que gostava muito do nome porque só por si já era indicador de uma atitude e uma forma de estar com que me identifico muito: era provocador, irreverente, arriscado até. O Rock precisa desse inconformismo, dessa rebeldia contra o Status Quo, os sistemas implementados, o “Politicamente Correcto”. Além disso, conceptualmente, apraz-me a ideia de parecer indicar dois caminhos, duas possibilidades ou hipóteses que para mim são completamente falsas (religião e armas) e que há uma terceira hipótese, subentendida: o ROCK, o hipótese do inconformado. É quase indicador daquele momento de estar entre a espada e a parede, e afinal entender que há outra saída.

Hintf: Quais sentem ser as vossas maiores dificuldades em mostrar o vosso trabalho?

DIETER: Poderia enumerar as de sempre, as da praxe, as de todas as bandas. Mas mais do que nos focarmos nas dificuldades somos positivos e criativos no forma de abordar as situações de divulgação e de tentar atingir os objectivos que traçamos. Tentamos usar as coisas que podiam ser limitações óbvias (a insularidade geográfica, o estado do mercado nacional, etc) quase como mais valias, e tem de ser assim. O martírio pela causa Rock não é para nós, nem a apregoamos. A realidade dita que temos de ser muito pro-activos na abordagem a esse lado das coisas. Temos um motto interno que é do género “o que é para fazer acontecer, é para fazer acontecer”. Isto não garante resultados só por si, mas previne a apatia.

Hintf: Quais as principais diferenças entre o actual da banda e quando os Jesusoragun começaram?

BRUNO: Existe um espírito de camaradagem saudável e uns, cada vez mais, a puxar pelos outros! O trabalho em estúdio de ensaio é divertido, profissional, com enfoque no que estamos a fazer e sempre gravar as propostas de riffs e melodias. Aprendemos sempre uns com os outros. Somos cada vez mais críticos em relação ao que fazemos. Tentamos não complicar e gerimos o stress em prol da proactividade e não como algo que nos possa fazer parar. Somos uma equipa.

Hintf: Podem divulgar mais pormenores sobre o novo single e video “Fly High”?

DIETER: Estamos muito felizes com o feedback recebido sobre ambos, e também com a capa do próprio single. Foram coisas que corresponderam em pleno ao que queríamos, sentimos que temos o canção que queríamos com o som que queríamos, com a capa que queríamos, acompanhado do vídeo que queríamos. Temos plena noção que isto é muito raro acontecer claro. Como cartão de apresentação do projecto está perfeito: é Jesus or a Gun a 100%, puro e duro, na íntegra. Tudo foi fruto de muita organização e esforço, mas além disso foi divertido todo o trabalho que envolveu tanto a parte sonora como audiovisual. Fizemos questão de trabalhar e colaborar com gente do melhor, grandes profissionais e grandes amigos, e todos os envolvidos no processo entregaram-se aos desafios e contribuiram de forma significativa para um resultado com que estamos felicíssimos.  

Hintf: Como está a vossa agenda?

DIETER: Em constante mutação e adaptação, porque somos criteriosos e fazemos as coisas de forma meticulosa e incisiva, as circunstâncias da banda assim também o exigem, e ainda bem. Podemos revelar que vamos estar em palco em Lisboa, Porto, Famalicão, Braga e na Madeira nos próximos meses, e vamos anunciar as datas em breve!  O ano começou bem e vamos conseguir levar o nosso Rock a muita gente!

Hintf: Que bandas/artistas mais vos inspiram?  

BRUNO: Led Zeppelin; Deep purple; Black Crowes; Rival Sons; The Answer; Lenny Kravitz; The Faces; The Rolling Stones; Guns N Roses; enfim,… tantos.

Hintf: Deixem uma mensagem aos leitores da Hintf e aos vossos fãs…

DIETER: Ainda há muito por acontecer! Se não nos conhecem, toca a investigar. Ouçam, partilhem, comentem, contactem-nos, estamos cá para ficar. A quem já nos conhece: vemo-nos novamente em breve a fazer sacudir um palco qualquer! Rock on!

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.