Tim Bowness

Banda: Tim Bowness

Título: “Flowers at the Scene”

Editora: Inside Out Music

Data de Lançamento: 01.Março.2019

Musica simples e de se recostar a ouvir pois a voz de Tim Bowness é suave e bastante calma sempre no mesmo registo sonoro ao longo do álbum.

“I Go Deeper” inicia este “Flowers at the scene” com arranjos bem elaborados e com bateria num ritmo a compasso. Embora algumas das músicas tenham várias introduções de variados instrumentos existe sim a componente rock em que sobressaem as cordas de guitarra, mas nunca numa forma abusiva.

Tim Bowness aqui a solo, pois entre város projectos também fez parte da banda Porcupine Tree de No-mandesde 1987, convidou vários artistas de renome para o acompanhar tais como Colin Edwin (ex Porcupine Tree) no baixo e a acompanhar todas as músicas do álbum, Peter Hammil (da banda de rock progressivo formada em 1967 Van der Graaf Generator) e o próprio Steve Wilson musico, escritor e produtor e também membro da banda Porcupine Tree.

A terceira faixa “Rainmark” tem início calmo e introspectivo apresenta um solo com acordes de guitarra eléctrica gentilmente cedidos por Jim Matheos dos Fates Warning, senda esta uma das faixas de salientar no álbum. Também tem a sua participação num excelente solo de guitarra na faixa que dá título ao álbum, a quinta faixa com uma sonoridade mais jazz ou mesmo Rythm& Blues não se conotando com rock seja de que género for. Segue-se “It’s the World” a mais pesada e mesmo a mais reflexivado álbum. Retrata as misérias que nos vamos deparando na vida até porque “it’stheworldthatisn’t fair” é repetido várias vezes. Outra das faixas a salientar neste álbum.

O álbum termina com uma calma e algo que electrónica “What lies here” o que nos remete a algo meloso e sonhador com loops de guitarra e sintetizador que em atmosfera de despedida termina apropriadamente.

A anterior banda de Tim, No-Man trabalhou e aperfeiçoou a arte rock que se encontra aqui estampada em acordes e voz suave e algo que melosa do próprio. Quem conhece os trabalhos anteriores vê aqui uma continuação disso mesmo mais que um trabalho a solo. Fãs do género e que conheciam há muito aqui para apreciar, para quem procura musica rock retrospectiva, algo que calma e apaziguadora tem aqui uma gema para escutar ao final do dia.

Pontuação: 8/10

Por: Paula Pedroso

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.