Urso Bardo

Entrevista Urso Bardo

Por: Miguel Ribeiro

Hintf: Falem-nos um pouco do historial da banda, e sobre o vosso percurso até á formação dos Urso Bardo, como tudo começou…

Pode dizer-se que o projecto começou quando o Tiago desafiou o Filipe a explorarem juntos ideias que havia na gaveta, quer de um, quer do outro. Foram-se desenvolvendo até começarem a ganhar contornos de temas, e por esta altura convidam o Ricardo (baterista), que tocava com o Filipe na altura num outro projecto, para se explorar também estes esboços com a vertente rítmica. Uns meses volvidos vem o primeiro baixista, o Francisco, amigo também do Filipe e do Ricardo, mas que entretanto saiu, e por meio de um amigo comum foi-nos apresentado o Ricardo Canelas, actual baixista.

Hintf: Podem explicar-nos o que significa o vosso nome?Porque o escolheram? 

Achámos que o nosso som tinha uma componente muito ligada à terra, a paisagens rurais, e isso sugeria-nos a cor castanha. Eventualmente surgiu este jogo de palavras que após um longo e penoso processo de procura de nome, nos pareceu adequado, e nos satisfez.

Hintf: Como tem sido a progressão a nível de visão/destaque para o vosso projecto?

Temos ideia de que a progressão é sempre lenta, ainda para mais para um projecto instrumental, não mainstream, e que as coisas acontecem aos poucos. Mas felizmente vamos tendo concertos, tivemos ainda assim uma aceitação relativamente boa do primeiro álbum, e o público vai-nos conhecendo e o nome vai começando a soar aqui e ali. Fizemos algum barulho para a campanha de Crowdfunding que fizemos para ajudar a pagar as despesas com a gravação e edição do álbum que aí vem, e talvez isso tenha também contribuído para o nome da banda andar por aí.

Hintf: Como vêem o actual panorama musical nacional?

Mais ou menos na última década, temos visto não s ó a quantidade, como a qualidade da música portuguesa a aumentar imensamente. Hoje em dia é cada vez mais fácil gravar-se discos, há mesmo literalmente quem o faça em casa, e daí poderia esperar-se que de muita quantidade poderia resultar pouca qualidade. Mas muito pelo contrário, há projectos interessantíssimos, com identidades muito próprias, pouco óbvios, e que nos apanham de surpresa e são uma lufada de ar fresco. Talvez os Dead Combo e o The Legendary Tigerman, sejam quem mais se evidencia no início deste ciclo, mas por exemplo os Linda Martini, ou mais recentemente o Bruno Pernadas, a Surma, os Orelha Negra, e muitos outros são bons exemplos de produtos nacionais com muita qualidade, e perfeitamente exportáveis, como de resto já se comprovou.

Hintf: Como caracterizam o vosso som?

O nosso som teve a sua evolução do primeiro álbum para o que vai ser editado em breve. O primeiro reflecte muita da exploração inicial de quando nos estávamos ainda a conhecer, pessoal e musicalmente. É mais melancólico, está mais expressa a ligação ao fado, se assim o pudermos dizer, as músicas levam o seu tempo a crescer. O álbum que aí vem vai ais directo ao assunto. Continua a soar a Urso Bardo, mas é mais objectivo.

Hintf: Já pensaram em um dia ter voz nos Urso Bardo?

Falámos nisso quando nos estávamos a definir, mas sempre nos sentimos mais confortáveis no instrumental, é algo que nos sai mais naturalmente.

Hintf: Como estão a nivel de concertos?

Temos estado a trabalhar desde o primeiro terço deste ano com a Cadeira Amarela, a nossa agência de booking, que tem feito um trabalho impecável a esse nível. Até antes do Verão percorremos boaparte do país, ainda a promover o primeiro disco. Agora abrandámos um pouco o ritmo de concertos, não só para nos focarmos na gravação do novo álbum, mas também para preparar a promoção do que aí vem. Tocamos Dia 13 de Outubro na ACERT em Tondela, em Novembro em Alenquer e em Almada. Em breve esperamos também anunciar o concerto de lançamento e apresentação do novo disco.

Hintf: Quem e o que vos inspira ?

Inspira-nos música ou arte em geral feita com alma, sem limitações, e com algo para dizer, envolva palavras ou não.

Hintf: Como estão a nível de trabalhos editados?

Lançámos o primeiro álbum, homónimo, em 2016, e ainda este ano lançaremos o segundo, de seu nome “Vida e Morte de D. Antónia”

Hintf: Imaginem,que podiam ser um qualquer animal,que animal seriam?

Já somos um animal… 😛

Hintf: Definam-se numa só palavra…

Instrumental

Hintf: Deixem uma mensagem aos nossos leitores e aos vossos fãs…

Queremos agradecer o apoio à música nacional em geral, através da procura de notícias ou entrevistas como esta, onde se fica a conhecer um pouco melhor os artistas de quem se gosta, ou se descobrem outros novos. Aos nossos fãs, um grande obrigado e abraço pelo apoio que vamos sentindo nos concertos ou através das redes sociais.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*