Mayan

Entrevista: Mayan

Por: Luisa Silva

Hintf: Porquê MayaN como nome para uma banda? O que significa este nome para vocês?

Frank: Quando Mark, Jack e eu começamos a banda em 2010, precisávamos de um nome, e Mark escreveu algumas ideias, das quais ‘Maya’ era uma delas. ‘Maya’ por causa de sua fascinação pela cultura maia. Mas nós sentíamos que esse não era o nome perfeito ainda, então tivemos um concurso público para isso. Surgiram muitas opções interessantes, das quais “Quarterpast” nos atraiu mais. Não como nome da banda, mas como título do nosso primeiro álbum. Então ainda precisávamos de um nome de banda, e eu sugeri colocar um ‘N’ à frente de Maya, então nós escolhemos ‘Mayan’, que parecia mais simétrico como um logo, e imediatamente o Mark disse: ‘sim e então nós temos que escrever como MaYaN’ . Assim foi.

Hintf: Como descreveriam o vosso estilo da música?

Frank: Não cobre tudo, mas o termo mais usado é ‘death metal sinfónico progressivo’. A base é metal, death/black/progressivo, mas também ‘baladas’ e partes ‘mais suaves’, todas com uma grande camada sinfónica/orquestral, e nossos seis vocalistas transmitindo grunhidos e gritos, com ópera feminina e vocais de rock de alta energia , vocais masculinos que vão desde power metal até ao rock metal mais cru, mas também vocal emocional mais limpo.

Hintf: Como é trabalhar num projeto com tantos membros? Qual é a maior dificuldade, se houver alguma?

Frank: É uma verdadeira alegria! Musicalmente, não há limites, todos nós amamos uma grande variedade de estilos, e podemos mantê-lo interessante e escrever o que quisermos com tantos talentosos vocalistas. E a nível pessoal, somos um grupo de pessoas incríveis e apaixonadas fazendo o que amamos e nos divertindo muito juntos. O maior desafio sempre foi o lado de planeamento / logística para concertos/digressões já que todos nós temos outras bandas e projectos (digressões), mas actualmente temos pessoas suficientes na banda, e até dois guitarristas substitutos, conseguimos dar concertos de qualquer maneira se alguém não conseguir. George pode assumir os grunhidos de Mark se Mark estiver em digressão com Epica, Merel é apoiado por Jord ou Arjan se ela estiver em digressão com Delain, Adam Denlinger veio como um cantor de backup para quando Henning estiver em digressão com Firewind, etc.

Hintf: A vossa música é muito diferente, especialmente com tantas vozes. Como surgiu a ideia de um projecto assim?

Frank: Quando começamos em 2010, Mark, Jack e eu começamos a compor músicas, e o que escrevemos pediu estilos de vocais mais diferentes do que os grunhidos de Mark. Então foi aí que o crescimento dos MayaN começou com mais vocalistas. Nós gostamos de não ter limites na composição de músicas, então agora temos sempre a voz certa para a música certa.

Hintf: Quais são as vossas principais influências?

Frank: Uhm … ‘muitas’, na verdade, é o termo certo. 😉 Para nomear algumas: Whitesnake, Megadeth, Vai, Malmsteen, Queensrÿche, Testament, Forbidden, Helstar, Voivod, Mordred, Racer X, Meshuggah, Dream Theater, Vicous Rumours, Sadistic, Pain of Salvation, Simphony X, WatchTower, Spastic Ink, Crimson Glory, Allan Holdsworth, Devin Townsend, Zappa, Mahavishnu Orchestra, Return To Forever, Porcupine Tree, Spawn of Possession,  Between the Buried and Me, Necrophagist, Thorns, Nevermore, Dimmu Borgir, Fleshgod Apocalipse, Alter Bridge, The Tea Party, Carcass,Behemoth , SepticFlesh .. Eu poderia continuar durante dias ..

Mark: As minhas influências vêm do rock / metal e música clássica. Bandas como Megadeth, Guns’N’Roses, The Gathering. E música clássica de Rachmaninov.

Hintf: De que falam as vossas letras? Existe uma mensagem que tentem passar pela vossa música e letras?

Marcos: Dhyana refere-se ao momento em que a mente é absorvida pelo coração. Sem preocupações com o passado nem o futuro. Apenas aproveitando o momento em si e o que se pode sentir. Todas as letras estão relacionadas com este princípio básico de certa forma. Muitas pessoas tomam anti-depressivos hoje em dia por causa do sentimento contínuo de tristeza e pressão que muitos de nós sentimos. Mas precisamos aprender a olhar de uma maneira completamente diferente para muitas coisas na vida e ver o que é realmente importante e o que não é.

Hintf: Existe algum artista ou banda com quem gostariam de trabalhar? Porquê?

Frank: Seria alguém que não é apenas um grande músico, mas também um grande produtor / mixer etc., todo o pacote, eu poderia aprender mais com … como o Joost van den Broek haha, já trabalhei com ele algumas vezes, amei . Ou Devin Townsend. Parece ser divertido 🙂

Mark: Talvez um dia um solo do Slash em um de nossos álbuns fosse porreiro 🙂

Hintf: Qual foi a vossa performance mais marcante? Porquê?

Frank: Guatemala em 2011 .. maldita .. Louca (no bom sentido) audiência! Esgotada, a audiência teria rastejado sobre a borda do palco se a segurança não estivesse lá .. Deveria mencionar Graspop no último verão também, nós éramos a primeira banda às 11h15 e a barraca estava lotada para nos ver! Na banda seguinte, a tenda estava meio cheia, no máximo, e foi assim que soubemos que a tenda cheia veio especialmente para nós. Muito gratificante 🙂

Hintf: Vocês têm um álbum duplo a sair dia 21 de setembro, Dhyana, há algo que queiram  compartilhar sobre isso? O que podemos esperar?

Frank: Próximo nível MaYaN! Nós trabalhamos muito duro para nos forçar ao limite, a música é mais extrema em cada (bom) caminho, melhores melodias, mais pesadas do que nunca de um lado, mais bonitas e emocionais do outro, nós tiramos o máximo de cada vocalista, a orquestra ao vivo é claro, melhores músicas, a melhor produção que tivemos, mais refinadasdo que antes, a arte mais porreira de todos os tempos, nós nos esforçamos para fazer acontecer em Dhyana.

Hintf: Como funciona o vosso processo de escrita?

Frank: Começamos como sempre fazemos, escrevemos e gravamos demos, e mais críticos em relação à música do que antes, isto começou no final de 2016 / início de 2017, e também tivemos mais membros de MaYaN para participar. Rapidamente, o nosso produtor Joost van den Broek também trabalhou no processo de composição para tirar o máximo proveito da música e de nós mesmos, tendo-o como um grupo ‘externo’ de ouvidos muito experientes. Nós estabelecemos prazos com ele; demos prontas no verão, escolha as melhores demonstrações disso e, depois disso, a programação de pré-produção iniciada, para ampliar cada detalhe e trabalhá-lo. Isso foi concluído em dezembro do ano passado e, em janeiro, as gravações começaram. Primeiro todos os instrumentos, depois todos os vocais, e então Joost e Jack foram para Praga para gravar a Orquestra.

Hintf: Existe alguma mensagem que queiram deixar aos vossos seguidores, que ainda não tenha sido referida acima?

Mark: Muito obrigado pelo apoio durante todos estes anos. Esperamos vir com MaYaN a Portugal também após o lançamento do Dhyana. Num festival ou em salas de concertos.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*