Moonshade

Entrevista Moonshade

Por: Lígia Ferreira

Hintf: É um prazer falar convosco, o que nos podem dizer sobre a história da banda e o porquê de terem escolhido o nome Moonshade?

Nuno: Obrigado pelo convite e pelo vosso interesse no nosso trabalho. Finalmente podemos falar de novidades dos Moonshade!

Pedro: Relativamente ao nome da banda, tendo em conta as sonoridades que ouvia maioritariamenteserem do género de SwallowTheSun, Katatonia eOpeth – aliado ao facto de querer construir um projecto que bebesse dessas influências – imaginei, juntamente com o Cristiano Brito (parceiro fundador), um nome que simbolizasse uma espécie de “calma nocturna”.Tendo isso em conta, o nome pareceu-nos adequado.

Ricardo: Quando eu entrei na banda interpretei o nome de outra maneira e foi apenas quando o Pedro me explicou as intenções dele que percebi que, acidentalmente, eles tinhamescolhido um nome com um significado duplo. “Shade” tanto pode significar “sombra”, como pode significar “espectro” em inglês arcaico. Sempre achei piada a esse pormenor.

Hintf: Depois de terem editado uma Demo e um Ep, e de terem passado pelo Vagos Open Air em 2015, regressam agora com um novo álbum, com data de lançamento prevista para 26 de Outubro. “SunDethroned” é um álbum conceptual que gira em torno de uma das personagens “GodOfNothingness”. Quem é esta personagem, a sua história e como vos surgiu a ideia para este conceito?

Ricardo: O conceito do “GodOfNothingness”, na sua base, já não é novo desde as grandes tragédias gregas da Antiguidade, e talvez anterior a isso. É essencialmente um símbolo, uma personificação com o intuito de demonstrar uma ideia. Neste caso particular, é a personificação do lado da condição humana que alberga sentimentos de auto-preservação mais ligados ao nosso cérebro reptiliano: a angústia, o medo, a agressão, resumidamente, todas as respostas psicológicas destinadas a processar a dor, seja ela de carácter físico ou emocional, e o seu papel na história é explorar alegoricamente as consequências de sermos dominados por essas mesmas emoções, muitas vezes resultantes de trauma emocional.

Daniel: Algo que me parece bastante interessante – e importante de referir – é que a personagem nasce em estreita relação com a imagem que para ela conceptualizamos, a de um Deus sem face e cuja coroa arde desesperadamente.

Hintf: Este álbum denota uma evolução no som da banda para um som mais polido, foi intencional ou acabou por tomar essa direcção naturalmente?

Daniel: Logo à partida, o nosso modus operandi sempre contemplou criar música que nos agradasse, uma vez que esse sempre foi o elemento fulcral daquilo que queremos atingir nesta banda. A partir daí, e falando mais concretamente do “SunDethroned”,fomos deixando os temas florescer, progressivamente refinando todos os elementos da forma que nos parecesse mais lógica para aquilo no qual o disco se estava a tornar.

Pedro:Tornámo-nos mais experientes e muito mais exigentes com a qualidade final do produto que fazemos. Termos sido nós a fazer tudo praticamente sozinhos até agora fez com que aprendêssemos muito com erros passados.

Sandro: Subscrevo o que disse o Pedro.

Hintf: Como foi o processo de gravação para este álbum?

Ricardo: O trabalho de produção do Afonso Aguiar da TitanforgedProductions foi essencial para a sonoridade final do álbum. No entanto, todos os processos desde a captação à masterização foram longos e morosos – consequências do perfeccionismo. No entanto, o que se ouve no “SunDethroned” é sem dúvida o melhor que conseguimos fazer neste momento, e esse sentimento de consciência tranquila vale muito.

Nuno: Deparamo-nos com muitos problemas e entraves que nos fizeram perceber que no futuro será tudo diferente, de preferência para melhor. Mas sobrevivemos.

Sandro:Discordo, o processo em si foi excelente. O Pedro tinha a conta da EDP paga, ligamos tudo, ele fez REC e “botamos” tudo lá dentro!

Hintf: Se tivessem de definir SunDethroned numa palavra, qual seria?

Nuno: Futuro.

Hintf: Vocês assinaram recentemente pela Art Gates Records, como vos surgiu a oportunidade de trabalhar com esta editora?

Ricardo: Contactamos um sem-número de editoras, e agradecemos infinitamente o interesse às poucas que deram uma resposta positiva. De todas as propostas, a Art Gates Records revelou-se a melhor opção para nós.

Hintf: A capa e toda a fotografia do álbum foi criada por Daniel Laureano, guitarrista da banda, que também cria todo o artwork para o seu projecto paralelo “A ConstantStorm”, em colaboração com a TitanforgedProductions. Foi a primeira vez que houve esta colaboração ou já tinham elaborado o artwork dos vossos lançamentos anteriores?

Daniel:Foi a primeira vez que colaboramos com a TitanforgedProdutions. Como referido anteriormente, a capa representa o “GodofNothingness”. Fazendo uma breve análise da imagem, o deus é representado sem face, fruto da tragédia com que lida, tragédia essa que lhe tiraa noção de clareza acerca da sua própria identidade, enquanto a coroa em chamas representa a realeza que se vai esfumando rapidamente, o trono que é perdido.Aproveito para estender um caloroso agradecimento ao Joël Martins daTitanforged por toda a colaboração, que foi vital para o artwork.

Hintf: Sei que também lançarão algum merchandise em breve, o que nos podem adiantar para já sobre isso?

Pedro: Para já ainda estamos a finalizar pormenores, mas serão produzidas algumas peças bastante interessantes para acompanhar a estreia do álbum, e esperamos lançar coisas diferentes ao longo da promoção do mesmo.

Nuno: Vamos tentar inovar, e como tal, vão haver riscos. Vai ser interessante ver as reações!

Hintf: Haverá alguma festa de lançamento e/ou já têm alguns concertos de apresentação do álbum planeados para breve?

Pedro: Ambos! Temos concertos marcados, um evento especial associado ao lançamento do álbum, e mais alguns eventos promocionais. Tudo será revelado a seu tempo, quando acertarmos os detalhes todos.

Nuno: Finalmente vamos poder estar em contacto com as pessoas e mostrar o nosso trabalho. Isso é o que nos dá motivação.

Hintf:  Chegados ao fim desta entrevista, há algo mais que queiram dizer aos nossos leitores?

Ricardo: Um grande obrigado à HINTF por todo o apoio ao longo dos anos. Aos leitores, recomendo que subscrevam aos nossos canais de streaming e redes sociais – Facebook, Spotify, Twitter, Youtube, Instagram, entre outros. Temos muito para vos mostrar num futuro próximo.

Nuno: Esperamos que apreciem o álbum e embarquem nesta experiência connosco. Venham ver os nossos concertos porque também estamos a preparar novidades para os espectáculos ao vivo.

Daniel: Mal podemos esperar para começar a escrever a história desta nossa nova viagem, e esperamos que decidam juntar-se a nós. Obrigado a todos.

Pedro:Mal posso esperar por comer frango de churrasco antes dos concertos! E tocar ao vivo e tal, mas isso é secundário, frango é que interessa!

Sandro: Está quase. Anxietyis a bitch!

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.