Absalem

Entrevista Absalem (Victor Villar // Bateria)

Por: Sara Vanessa

Editor: Mário Filipe Pires

Hintf: Olá. Antes de começar esta conversa, gostaria de vos parabenizar pelo álbum de estreia. Podes-nos contar um pouco sobre a história da banda e como foi formada?

V.V.: Obrigado e olá a todos! Eu sou o Vic, falo em nome dos Absalem, e é um prazer estar aqui! Em primeiro lugar, nossa banda foi formada em 2016, o Miguel decidiu iniciar um novo projecto e entrou em contacto com Héctor (o nosso velho baixista), Álvaro e eu. Hec apresentou-nos a Gina e ela tornou-se a nossa vocalista. Finalmente, Héctor deixou a banda e o Oliver entrou.

Hintf: O que significa ‘Absalem’ e porque é que escolheram esse nome?

V.V.: Absalem é uma referência a “Absolem”, a lagarta azul da “Alice no país das maravilhas”. Ele fuma shisha e alguns dos nossos membros da banda também, é por isso que fizemos dessa referência o nome da banda.

Hintf: Qual é a vossa música favorita em “Chaosvolution”, e que melhor representa a essência da banda?

V.V.: Eu acho que “Chaosvolution” é a nossa música favorita e a que melhor representa a nossa banda e a evolução do nosso som.

Hintf: Quais são as vossas influências musicais? Quais são os estilos musicais que mais ouvem neste momento?

V.V.: As nossas influências são ecléticas, ouvimos muita música diferente e de cada música que ouvimos, há sempre algum tipo de influência … Talvez nossas maiores influências no Metal possam ser Gojira, Killswitch Engage, Deftones, Dream Theater, Jinjer, Eluveitie, Wintersun , Devin Townsend Project, Opeth, Korn … mas depende de cada membro da banda.

Hintf: Como conseguiram a oportunidade de trabalhar com a Art Gates Records? Qual é a importância da editora para o vosso álbum?

V.V.: Temos de agradecer a Mon Go dos ” Bleeder” por isso, foi ele quem nos disse que deveríamos entrar em contacto com a AGR e enviar-lhes a nossa demo. Sobre o álbum, foi tudo gravado, produzido e rearranjado pelo nosso guitarrista Miguel, com os nossos próprios recursos (excepto um kit Dw que o nosso amigo David Verdejo de “Sin Sentido” nos emprestou). A editora foi encarregada de fazer o CD, copiar, publicitar e fazer-nos algumas entrevistas.

Hintf: Quais são os planos futuros para a banda?

V.V.: Penso que agora é hora de defender o nosso álbum ao vivo, primeiro na Península e, se pudermos, noutros países, com muita diversão durante o processo.

Hintf: Quais são os planos para promover o álbum? Podemos esperar um concerto em Portugal?

V.V.: Bem, vamos procurar algumas datas na Península em geral. Gostaríamos de tocar em Portugal, e se pudermos, nós vamos!

Hintf: Sendo “vizinhos”, o que vocês conhecem do underground em Portugal?

V.V.: Bem, eu sei menos do que eu gostaria, posso nomear apenas duas bandas de Portugal que vi ao vivo, Moonspell e Revolution Within, elas são fantásticas e ao vivo são brutais. Sobre festivais e eventos dei um concerto com a minha antiga banda no Santa Maria Summer Fest, e foi incrível, as pessoas, as bandas e, claro, a experiência. Para resumir, pensamos que Portugal tem um underground saudável e activo, que há muitas boas bandas e eventos, e gostaríamos de descobrir mais coisas acerca do underground português.

Hintf: Em geral, qual a vossa opinião acerca do Metal actualmente?

V.V.: Bem, acho que não está mau no geral, há muitas bandas fantásticas pelo mundo inteiro e o metal está a tornar-se mais forte em alguns países, embora talvez seja mais fraca noutros, mas não importa, porque o metal está sempre presente e isso é que é o importante.

Hintf: Alguma mensagem final aos leitores da Hintf Webzine e aos vossos fãs em Portugal?

V.V.: Obrigado a todos pelo vosso tempo despendido, continuem a ouvir música e a divertirem-se! Muito obrigado.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*