Avatar

Banda: Avatar

Titulo: “Avatar Country”

Editora: Century Media

Data de Lançamento: 12.Janeiro.2018

Avatar, formados em 2001 em Gothenburg, Suécia, é composta por Johannes Eckerström (lead vocals), Jonas “Kungen” Jarlsby (guitars), Tim Öhrström (guitars, backing vocals), Henrik Sandelin  (bass, backing vocals) e John Alfredsson (drums). Têm sido descritos como melodic death metal, groove metal e preogressive metal. Originalmente começaram por tocar melodic death metal, mas ao longo do tempo têm estado a virar-se para um avant-gard metal. Têm influências diversas que vão desde Marilyn Manson, Ministry, Rammstein, Iron Maiden, Helloween, Ozzy até Beethoven.

“Avatar Country” foi lançado a 12 de Janeiro de 2018. É o 7º álbum lançado pela banda e está cheio misticismo e celebra a música em toda a sua glória. Conta a história do Rei de Avatar. Essencialmente o Rei prometeu defender os valores do heavy metal e mantê-los de forma formidável. E é por isso que cada faixa tem “The King” no seu nome. Esta era uma terra estéril. Vale após vale com nada além de desertos congelados e leitos de rios secos. Então ele chegou e disse: “Onde houver silêncio, haverá som..” e fez chover. As pessoas proclamaram-no Rei e assim surgiu o reino de Avatar. Rei imortal que determinou que os recursos METAL do País Avatar possuem uma qualidade única. Não só o seu uso para alimentar as almas da fome, removendo qualquer necessidade de outras fontes de alimentos. Mas, além disso, conclui que tem uma propriedade que foi apelidada de “Compartilhar é cuidar e cuidar é rei”. Esse traço especial significa que os recursos METAL do reino de Avatar realmente se multiplicam sempre que são consumidos. Em suma, o METAL torna METAL mais METAL. Uma veneração à música com todo o seu esplendor.

O álbum está cheio de vozes melodiosas e guitarra. A 2ª faixa “Legend of the King” inclina-se mais para uma faixa instrumental, onde os vocais surgem por breves períodos de tempo. A guitarra é o principal instrumento florescendo tons, riffs e solos melodiosos. Há uma combinação de sons de guitarra muito harmoniosos e outros potentes. Há tons altos e baixos na música que a tornam atraente, uma mistura de Power metal com Death metal e ainda incorpora um rock clássico, vozes Groove e vozes grunhidas. É uma mistura de estilos bem conquistada.

“The King Welcomes You to Avatar Country” é uma faixa muito diferente das outras. Tem um ritmo country, toda a musica se engloba num ritmo muito ao estilo do hard rock dos anos 70 com um cheirinho de southern rock e country.

“King’s Harvest” é uma faixa para os amantes de grunhidos e riffs mais pesados. Exibe o outro lado da banda, que mostra que eles podem trazer algum peso esmagador. Os riffs são ao estilo Messhugah em densidade e dissonância e os vocais estão mais relacionados com o Death Metal. Eckerstorm mostra que pode fazer qualquer coisa com a voz, canta, grita ou grunhe.

“King After King” dá aos vocais um pouco mais de tempo no centro das atenções, os versos vocais abrem e os instrumentais dão um passo atrás. Quando o coro aparece, todos na banda se juntam, florescendo no típico de Avatar.

As duas últimas músicas, “Silent Songs of the King pts. 1 e 2 “são instrumentais que terminam bem o álbum. A primeira parte é melódica e limpa e a segunda parte é um instrumental mais metal. Em suma, Avatar continua a impressionar com o seu som de Heavy Metal louco que incorpora ideias variadas.

O prazer principal deste álbum é que é uma explosão para ouvir. Mesmo com uma forte estrutura, cada faixa é individual e irradia misturas de intensidade. Todos os instrumentos fornecem algo positivo para a mistura, e os vocais também são divertidos. Mas, o mais importante, a verdadeira estrela do Avatar Country é a guitarra. Não só pelas melodias explosivas e magnéticas, mas os ritmos também são muito atraentes.

“Avatar Country” tem músicas menos pesadas em comparação com outros álbuns, mas isso é parcialmente compensado pela inclusão de “Kings Harvest”. Alguns fãs podem ficar decepcionados que, para uma banda que começou como Melodic Death metal, perdeu quase todo o Death metal. Avatar refinou sua abordagem e, embora alguns pensem que eles possam ter perdido alguns aspectos mais experimentais e mais pesados ​​dos álbuns anteriores, eles criaram uma selecção de músicas tão variadas quanto excelentes.

Pontuação: 8/10

Por: Maria João Tavares

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*