Feeding Vultures

Entrevista: Feeding Vultures

Por: Miguel Ribeiro

Hintf: Quem são os FeedingVultures? Como é que tudo começou? Apresentem-se…

FeedingVultures: Antes de mais deixa-nos agradecer o interesse da Hinft pelo nosso projecto.

Os feedingVultures acima de tudo são 5 amigos (Tiago Frias, Ruben Marques, Richard Botelho, Nuno Tavares e Miguel Marques, Voz guitarra, baixo, guitarra e bateria, respectivamente) que gostam de fazer música enquanto bebem uns copos, ou gostam de beber uns copos enquanto fazem música, ainda não decidimos….

Isto começou assim, há muito muito tempo, em 2011, era o vazio depois fez-se luz e esta aventura começou numa associação desportiva lá do bairro onde morávamos quase todos, e onde nos encontrávamos para tocar covers na brincadeira durante umas horas aos Fim-de-semana. Depois surgiu a ideia de avançamos com projecto mais sério…digamos assim, e formamos o tributo a Misfits, Messfits. Entretanto num concurso num centro comercial o gajo chamado pedro … qualquer coisa… que estava a organizar aquilo queria fazer uma compilação com as bandas que participaram, nós éramos os únicos que não tínhamos material original, mas resolvemos tentar arranjar algum e numa semana fizemos duas músicas. Dessa experiência surgiram os FeedingVultures.

Hintf: Como foi a contribuição de cada elemento para o processo criativo da banda?

FeedingVultures: É tudo muito informal, intuitivo e cozinhado em estúdio. Uns participam mais que outros sendo que o Ruben e o Richard são os que apresentam mais material… Depois todos contribuem e opinam, alteram-se ideias originais dos riff ou letras etc… tudo é de todos e tudo é democrático.

Normalmente os riffs base são levados para o estúdio pelo Richard e pelo Ruben, e as letras pelo Tiago ou pelo Miguel, ocasionalmente o Richard trás letras e o Nuno riffs. O que se traduz num produto final que nem nós conseguimos bem antever, dado que a qualquer momento algum pode propor um arranjo diferente e todos temos influências musicais diferentes,embora não em polos opostos. Só quando está quase terminado é que temos ideia do que é que é que ali está, e depois o produto final ainda é aprovado por todos.

Hintf: Quais são as vossas expectativas futuras em relação a concertos?

FeedingVultures: Estivemos vários meses parados após o lançamento do EP All to Blame e, embora neste momento nos encontrarmos em fase de composição, gostamos sempre de sair à rua para respirar. Nem que seja para experimentar esses temas novos e ver como soam ao vivo e aos ouvidos de outros. Portanto, estamos sempre disponíveis.

Em todo o percurso dos FV houve uma tónica de partilha de palco com bandas de estilos e atitudes diferentes, o que para nós é sempre muito importante, uma boa escola, e uma fonte de partilha, pelo que quantos mais palcos podermos partilhar com diferentes bandas, em diferentes contextos e realidades, mais enriquecido sairemos, quer no aspecto musical, quer como indivíduos e como banda.

Hintf: Como foi para vocês actuar numa casa como o Stairway Club?

FeedingVultures: Qualquer casa onde tocamos é bom. O Stairway uma casa com um espírito excelente, e que desempenha um papel muito importante ao oferecer aos amantes de música menos mainstream a possibilidade de ouvir o que gostam, mas também por termos tido o privilégio de integrar um cartaz de luxo: Mata Ratos e SIStema, bandas com quem temos amizades e laços fortes. Todos crescemos a ouvir Mata-ratos. Foi uma experiência que não vamos esquecer!

Hintf: Qual o significado da letra “Past Ruins”, e qual a origem da mesma?

FeedingVultures: As letras estão sempre sujeitas a interpretação são histórias que podem ou não ter um teor mais social. Mas não estamos, não vamos, nem queremos pregar nada a ninguém. Gostamos, isso sim, que as pessoas pensem nas coisas. A Past Ruins é mesmo para interpretação, é sobre ficar agarrado ao passado e definhar com ele.

Hintf: Qual a mensagem que pretendem transmitir com a letra da vossa música “Havoc”?

FeedingVultures: A Havoc é sobre indiferença e a apatia, é sobre criar o caos, destruir e começar de novo do zero. No fundo, espelha a necessidade de destruição/morte em ciclos ou sistemas obsoletos, para que haja lugar a uma nova vida, ou novo ciclo.

Hintf: Têm alguma situação caricata em concerto,que gostassem de nos contar?

FeedingVultures: Temos algumas engraçadas, no República da Música o Richard aos saltos a fazer air guitar quando o cabo estava desligado… No Fantasma Lusitano o Frias teve de ir salvar o microfone porque um cabo se enrolou num fã… E no Sabotage na festa dos 10 anos do BlogBillynews o filho do Ruben lembrou-se de querer nascer, o Ruben nem fez soundcheck, voltou em cima da hora e tocou sempre com os nervos em franja, acho que estávamos todos à espera de ver aquele telemóvel tocar.

Um pouco mais à parte, ainda antes de FeedingVultures existirem, fomos como Messfits – Tributo a Misfits tocar no Norte, num restaurante/tasca/café e foi o caos, desde tentarem levar as cábulas do frias, até utilizarem a mesa de snooker como plataforma para stagedive, a pedaleira do Ruben ainda levou uns quantos pisões que era só luzes a piscar… quase não jantamos e foi a polícia que acabou com a festa… Foi divertido.

Hintf: Qual foi para vocês o momento menos positivo na vossa carreira até agora?

FeedingVultures: O menos positivo foram os valentes meses em que estivemos parados, logo a seguir à gravação do EP perdemos algumas oportunidades.

Na altura estávamos saturados, andávamos todos muito stressados e cansados e os momentos de tensão começavam a ser mais regularesaté que estalaram após a gravação do EP. A nossa amizade nunca esteve em causa porque somos todos diferentes a vários níveis e já o somos amigos antes de FeedingVultures existirem. Agora, à distância, podemos afirmar que precisámos do intervalo e saímos mais fortes, mais maduros e mais criativos depois desta paragem. E se os FeedingVultures um dia acabarem as amizades ficam, se não for assim não vale a pena.

Hintf: Quais são as vossas influências, quem vos inspira?

FeedingVultures: Influências há muitas, cada um de nós tem gostos musicais diferentes, tentamos é fazer uma salada com isso tudo de forma a ficar toda agente satisfeita. Transversal a todos os elementos é Motorhead, nós sabemos que é um cliché, mas no nosso caso como temos gostos tão variados como Motorhead, Death, Ramones, Exploited, Pantera, TheClash, Sepultura, Faith no More, DeadKennedys, Censurados, Mata Ratos, Rampsão tantas… do rock/hard rock ao Metal, passando pelo punk e o hardcore …. Motorhe adacaba por ser comum a todos nós.Também tem influência a cerveja existente no frigorífico, ahahah!

Hintf: Imaginem que estão em estúdio a gravar um álbum, e podiam escolher um qualquer convidado especial, quem seria?

FeedingVultures: Talvez o Mike Patton ou Bobby Blitz Ellsworth, mas preferencialmente a Simone Simons. Ahahah!

Hintf: Numa palavra, como se definem ao vivo?

Às vezes é caótico com mais feeling que técnica…depois é sempre bem regado, mesmo à taberneiro.

Hintf: Como vêem o actual panorama musical em Portugal?

FeedingVultures: Tem vindo a melhorar, há muitas bandas, ou estão mais visíveis, há cada vez mais espaços e festivais. Mas só melhora a sério para todos com união e entreajuda de todos, seja por parte das bandas, produtores, espaços, etc… e até quem ouve. Infelizmente há um longo caminho a percorrer, ainda existem muitas divisões que se tornam prejudiciais para todos.

Hintf: Para quando um novo trabalho?

FeedingVultures: É difícil dizer…estamos a trabalhar em temas novos, estamos a aumentar o set, e queremos ir para a estrada. Não há melhor laboratório que um palco, nem melhor medidor que um bom público. Agora é uma questão de tempo, queremos experimentar as novas músicas ao vivo primeiro, e só depois vamos analisar a cena para ver se conseguimos ou queremos gravar.

Hintf: Planos para o futuro…

FeedingVultures: Continuar a fazer o que gostamos mas com um upgrade: tocar muito mais ao vivo.

Hintf: Por fim, deixem uma palavra a quem vos ouve e segue…

FeeedingVultures: Obrigado pela atenção que nos dão, se não nos conhecem e chegaram até aqui nesta entrevista, vão ao nosso canal do Youtube, está lá o EP todo, façam like na nossa página de Facebook e se gostarem do que ouvem, partilhem. Também temos cópias doEP em formato físico para vender.

Não se esqueçam de pedir ajuda especializada no bar mais próximo, nós lá estaremos para nos pagarem uma cerveja, ou mais!

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*