Philip H. Anselmo & the Illegals

Banda: Philip H. Anselmo & the Illegals

Titulo: “Choosing Mental Illness As A Virtue”

Editora: Housecore Records

Data de Lançamento: 26.Janeiro.2018

Philip H. Anselmo & the Illegals é uma banda de New Orleans, Louisiana criada em 2011 por Philip Anselmo, ex vocalista de PANTERA e actual líder de DOWN/ SUPERJOINT. Lança agora um o segundo álbum “Choosing Mental Illness As A Virtue” através da sua própria editora Housecore Records a 26 de Janeiro de 2018. A banda de Brutal Sludge Metal sofreu uma profunda remodelação desde 2013, sendo hoje composta por Philip H. Anselmo (voZ), Mike DeLeon (guitarra lead), Jose “Blue” Gonzales (bateria), Stephen “Schteve” Taylor (guitarra) e Walter Howard (baixo).

Para compreender melhor este álbum necessitamos de saber um pouco da história de Phil, desde os tempos de Pantera até aos dias de hoje. Philip H. Anselmo é um artista simbólico, um pouco ferido, cicatrizado e mal tratado pelo tempo. Mas Phil mantém-se de pé, inflexível e ainda irritado. É amado e odiado, atacado e louvado.

“Choosing Mental Illness As A Virtue” é o seguimento do primeiro álbum de estreia de PHLIP H. ANSELMO & THE ILLEGALS’ “Walk Through Exits Only” em 2013 que teve, na maioria, criticas positivas. Estão de volta e prestes a instalar “Choosing Mental Illness As A Virtue” como uma nova referência para o peso extremo.

Este novo álbum é bruto e cheio de fúria tal como o anterior, ‘Walk Through Exits Only’ (2013), “Choosing Mental Illness As A Virtue” é um soco metafórico na cara e uma exibição de força.

Após Pantera, a ira e a hostilidade personificaram Philip que já provou a sua reputação como artista. Com esta banda, Phil permite-se fazer o que quiser. Como o próprio Phil disse: “you can express different musical influences from generations of music. I can do anything I want with THE ILLEGALS. It’s my band.” (“podemos expressar diferentes influências musicais de gerações de música. Posso fazer o que quiser com THE ILEGALS. É a minha banda”).

Neste novo álbum, Philip H. Anselmo & The Illegals esculpiram, um monstro mega pesado e irritado, uma agressão visceral com o power dos Pantera, com um thrash devastador e o Southern sludge que o Phil e a malta de New Orleans são pioneiros. É extremo, abrasivo, agressivo.. é puro PHIL ANSELMO.

Phil disse: “This is something that was very different from the first record where I was very staunch. I wanted it to be ugly. I was very firm that I was writing every fucking note. The thought was, ‘This is my contribution to ugly music right this second in a heavy metal vein’” (Isto é algo completamente diferente do primeiro disco onde eu estava muito firme. Eu queria que fosse feio (…) A ideia era dar o meu contributo à ugly music numa veia de hevy metal).

Phil diz que este álbum é só a ponta do iceberg, e à medida que vai fazendo música, vai sendo uma montanha russa.

O álbum é aterrador, não se consegue fugir ao sentimento de raiva. Em todas as faixas Phil está enfurecido, desde grunhidos baixos e lentos ao gritos altos e maníacos. Phil usa a sua voz como uma arma em várias faixas do álbum como “Little Fucking Heroes”, “Individual” e “Finger Me”. No entanto o que dá ao álbum este incessante sentimento de dor e sofrimento é a música. Mike DeLeon e Stephen Taylor usam velocidade, volume e dissonância com riffs que arrepiam. O propulsar de cada música como uma locomotiva é a bateria de José Gonzalescom e o pedal duplo bem rápido, e o baixo de Walter Howard.

Na faixa”The Ignorant Point”, Anselmo traz caos e terror, seus vocais são alguns dos mais agressivos desde há anos. As guitarras pulverizavam versos metálicos convencionais em ataques inquietantes e de agressão.. este álbum está longe de ser fácil de ouvir. Sobre “The Ignorant Point” Phil diz que é uma dica para as agências de notícias, sites, blogs, etc., cheias de verdades, sinceras e confiáveis, de hoje em dia, que mantêm o público com a sua dedicação à verdade e à honestidade.. (sarcástico).

Na faixa “Choosing Mental Illness,” Anselmo grunhe acompanhado com os riffs pesados e afiados provocando um tom violento e agressivo.

“Delinquent” é uma música cáustica abrasiva, é uma reminiscência, talvez inconsciente, da banda de death metal ‘Portal’, uma banda que Anselmo tatuou na perna. O trabalho de ritmo que abre “Delinquent”, mantendo o equilíbrio na música, é a sensação de groove que tem permeado a carreira do cantor. Phil foi um pouco mais sucinto, mas tão eficaz em descrever a música, afirmando: “Old school-meets-ugly-school”.

Com “Choosing Mental Illness As A Virtue”, Philip H. Anselmo e The Illegals estão a abraçar a loucura do caos. Toda música está cheia de ansiedade implacável, tensão e malícia. A busca de consolo não está prevista, pois a brutalidade incondicional causada pela morte inserida neste álbum é aterrorizante. No entanto, há um pouco de purificação espiritual através do sentimento que apenas os vocais torturados de Phil Anselmo podem fornecer. Entregue-se e aproveite a loucura.

Pontuação: 7/10

Por: Maria João Tavares

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*