Lord Of The Lost

Entrevista Lord of the Lost

Por: Lígia Ferreira / Miguel Ribeiro

Hintf: Obrigada por responderem a esta entrevista! Quais eram as vossas expectativas quando tudo começou?

π: Eu suponho que queiram dizer o processo de produção de “Thornstar”. Inicialmente, esperávamos que fosse um álbum pesado e distinto, sonoramente falando. Quando começamos a escrever, porém,  aconteceu que as músicas ficaram muito profundas e atmosféricas, mantendo o peso inicial.

Hintf: O que vos influencia quando compõem ?

π: Basicamente pode ser tudo. De conversas e discussões a bandas de que gostamos ou até filmes, livros ou fotos, acho que somos capazes de nos inspirar em muitas coisas. O que inspirou “Thornstar”, no entanto, foi a história e a mitologia dos “Pangaeians”, uma civilização há muito esquecida, que viveu há alguns milénios.

Hintf: Muitas mudanças de formação?

π: Eu acho que “muitas” é relativo. Com o passar do tempo, só houve mudanças necessárias , que por um lado eram importantes para a banda evoluir e continuar a crescer, por outro lado, e isso precisa ser enfatizado, aconteceu naturalmente. Os nossos ex-companheiros de banda decidiram deixar a banda e se concentrar em outros empreendimentos.

Hintf: Consideram-se uma banda de dark / rock / metal?

π: Nós nos consideramos “O que quer que a gente queira fazer”. Naturalmente, dentro do metal / (dark) rock, simplesmente porque essa é a música que pessoalmente gostamos e queremos fazer. Todos nós temos formação musical em algum género de metal. No entanto, há um histórico clássico nos casos de Chris e Gared. É assim que o “Lord Of The Lost Ensemble” veio a ser.

Hintf: Lord of the Lost está sempre a reinventar o seu som. Isso acontece naturalmente ou vocês sentem a necessidade de experimentar sons diferentes e fazer coisas diferentes?

π: Na verdade ambos. Obviamente, não queremos fazer o mesmo registo várias vezes, porque não haveria entusiasmo em fazer isso. Já ouvimos falar do que fizemos e, por isso, estamos, é claro, a experimentar novos sons ou mesmo instrumentos e formas de registar as coisas. Nós não limitamos as coisas à nossa nova música, só porque é algo que nunca fizemos antes. Tem que parecer certo para nós e correlacionar-se com o que sentimos ser a nossa música favorita.

Hintf: Podem- nos contar mais sobre o  novo album “Thornstar”?

π: „Thornstar“ é o produto de uma banda que nunca esteve tão unida e que está colocando cada gota de criatividade, amor e puro trabalho nas suas músicas. É provavelmente por isso que “Thornstar” tem um valor emocional muito grande para nós, além de soar como a música que mescla tudo das nossas mais altas expectativas musicais. Com “Thornstar”, transformamos uma experiência má, neste caso uma turnê nos EUA cancelada, no melhor possível, tudo em seis meses, o que não é necessariamente uma quantidade enorme de tempo. Especialmente quando  percebes quanto trabalho envolveu isso e quão detalhado é o produto final. Honestamente, achamos que este é o nosso melhor álbum e merece toda a atenção que ele pode conseguir. Encorajo cada um de vocês a dar uma olhada!

Hintf: Porquê um cd duplo?

π: Se não fosse pela história de fundo do álbum,  poderiamos “facilmente” colocar todas as músicas num único CD. No entanto,  as 13 músicas do primeiro cd focam-se liricamente no conceito do álbum, e precisamos separar o resto. As 7 músicas do segundo cd não devem ser vistas como b-sides ou “not up par”, porque achamos que há músicas que poderiam ter sido facilmente um single. Elas simplesmente não se encaixam na história de fundo, o que fez com que  fossem colocadas noutro cd.

Hintf: Como é trabalhar com a Napalm Records?

π: Na verdade, é o que esperávamos em termos de trabalhar com uma editora.  Provavelmente a coisa mais importante é que a comunicação funciona perfeitamente. Nós estamos mais do que felizes!

Hintf: Os vossos concertos são sempre energia pura, o que podemos esperar para os próximos shows?

π: Esperem apenas isso.  Quadruplicou!

Hintf: Um concerto inesquecível?

π: Há muitos concertos inesquecíveis. Não faria justiça nomear apenas um.

Hintf: Definam Lord of the Lost em apenas uma palavra …

π: Não seria justo para nós reduzir-nos a uma palavra.

Hintf: Se pudessem escolher alguém vivo ou morto para se juntar a vocês no palco, quem seria?

π: Para mim, pessoalmente, seria o Slash, já que ele é responsável por eu ser guitarrista. Oli Sykes dos Bring Me The Horizon ou Mark Holcomb de Periphery também estariam bem!

Hintf: O que vocês sabem sobre Portugal, podemos esperar que  nos visitem para um concerto?

π: A capital é Lisboa, vocês são superiores à Espanha no futebol e o vinho do Porto é muito, muito saboroso! Vocês podem nos esperar, mas  não sei quando.

Hintf: Querem deixar uma mensagem para os  fãs portugueses?

π:  Façam a base de fãs crescer falem a todos sobre nós e  podem- nos esperar mais cedo do que vocês pensam! De qualquer maneira, um enorme “obrigado” a todos vocês!

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*