Mass Disorder

Banda: Mass Disorder

Titulo: “Conflagration”

Editora: Ethereal Sound Works

Data de Lançamento: 25.Junho.2018

Formados no ano de 2013,o coletivo inicialmente praticante da sonoridade thrash metal e que dá pelo nome de Mass Disorder, é um dos coletivos do nosso underground que conseguiu alcançar boa parte da sua merecida visibilidade e destaque pela força da sua prestação de palco, sendo das bandas mais interessantes de ver em modo live.

Passaram-se quatro anos desde o lançamento do seu EP de estreia, “The Way To Our End” e além do tempo de maturação necessário à implementação de novas sonoridades sofreram também algumas alterações ao seu lineup, não sendo por isto que perderam alguma da força sonora que lhes é conhecida e que tão mal/bem nos habituaram.

Assim, foi oficialmente lançado no passado dia 25 de Junho e com selo da nacional e eclética editora Ethereal Sound Works, “Conflagration”, título escolhido para designarem o seu primeiro álbum em formato longa duração.

Chega-nos este disco composto de 8 temas num total de 37.37 minutos e com uma nova abordagem sonora. Mantendo a sua assinatura musical fortemente vincada no registo thrash/metalcore, “Conflagration” evolui ao espetro mais amplo do técnico e progressivo, com riffs mais complexamente trabalhados sem cansar o ouvinte e a linha de baixo mantém-se também como sendo um dos pontos fortes da sua criação musical, destacando-se os ritmos groove e a suave melodia que sustenta e faz de base para as cadências rítmicas mais rasgadas.

Perfeito exemplo destes 8 temas para esta fusão é o tema 7, ‘Premonition’, este também apresentando um registo vocal ‘ainda’ mais intenso, quase ecoando sobre si próprio, num prolongamento e alcance vocal bem respirado e por conseguinte fluído e hipnotizante.

Tecnicamente bem executado e onde se revela que o tempo ajuda a limar arestas e melhorar pormenores que fazem a diferença, “Conflagration” é o merecido disco que os ouvintes e seguidores desta banda da Margem Sul aguardavam com alguma expectativa e esta não nos sai gorada.

É um deleite decibélico e que nos faz menear o pescoço ao bom jeito de um orgulhoso headbanger que prazerosamente se deixa levar por esta massiva desordem que tem tudo menos de caos. O álbum flui num frenesim acelerado e onde ainda assim tudo é perfeitamente percetível, desde os blast-beats violentos ao suave dedilhar do baixo, nos prolongamentos de riffs progressivos ou na vocalização que mais uma ressalva quem escreve está maturadamente trabalhada e entra nos timings certos, provocando refrões orelhudos e colantes.

“Conflagration” quase roça a perfeição e é um sério candidato a encabeçar a futura lista dos melhores lançamentos nacionais para este metaleiro ano de 2018.

Pontuação: 9,3/10

Por: Paula Antunes

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*