Raw Decimating Brutality

Entrevista: Raw Decimating Brutality (Micael Olímpio // Baixo)

Por: Paula Antunes

Hintf: Olá! Antes de mais agradecemos a oportunidade e o vosso tempo para com esta entrevista! Queremos primeiramente saber quem são os RDB (Raw Decimating Brutality), como surge esta formação e como tem sido o vosso percurso até aos dias de hoje?

Olá Paula e HINTF! Nós é que agradecemos desde já o vosso apoio!

Os RDB [Raw Decimating Brutality] são uma banda originalmente da cidade da Guarda, que decidiram fustigar o mundo com o seu Brutal Grindcore! Surgem em 2003 com elementos de outras bandas da cidade (Necrose, Deity of Carnification e Traumatics). O percurso foi-se fazendo com enorme actividade a nível de concertos. Em 2005 lançámos o primeiro EP [Sperm to Grind Your Ears] e a partir daí foi non stop a nível de concertos, em 2006 participamos num Split e em 2007 entramos numa compilação depois já só em 2011 reunimos condições para o primeiro álbum, o [Obra ó Diabo!!!) e agora passados 7 anos o [Era Matarruana].

Hintf: Para nos podermos situar um pouco melhor na agora vasta panóplia de estilos musicais que surgem a cada dia, de que melhor forma descrevem a vossa sonoridade?

No nosso caso pensamos que não há muito a divagar! Definiríamos muito rapidamente como Grindcore! Numa definição com sentido mais lato, Brutal Grindcore!

Hintf: Desenvolvendo um estilo musical tão especifico, com uma sonoridade acutilante e uma lírica de arrepiar (no bom sentido!) o mais ínfimo dos nossos pelos, como veem o atual panorama musical nacional nesta linha musical, consideram muito caminho ainda ter que ser percorrido para uma maior e melhor adesão a este conceito?

As coisas são o que são. Quando estás na cena Grind/Death não estás por moda, ou se estás, não devias estar. Logo, não me parece que se possa forçar uma adesão a um estilo e/ou conceito destes! Estamos cientes que na cena Underground essa adesão que falas é cíclica, isto é, há alturas em que o Grindcore e o Death Metal são estilos mais seguidos e noutras alturas será o Thrash ou o Black Metal. Quanto ao panorama musical nacional, há boas bandas de qualquer estilo, actualmente. Outras já desapareceram, mas tenho a certeza que outras virão…lá está o tal ciclo dá origem a novos projectos e há sempre um ou outro muito bom que se destaca. Mas a adesão que procuras aqui só se proporcionará com a cena toda unida. Logo a adesão não dependerá de um trabalho somente das bandas mas sim da união de toda a cena (bandas, promotores, editoras, zines, magazines e claro está dos fãs de todos os estilos) do Metal Underground. 

Hintf: Uma das perguntas que também certamente alguns ouvintes mais sequiosos de informação terá e que esta escriba tem é: quanto tempo leva a ser feita uma das canções de duração mais mediana, tomemos como exemplo a audaz ‘A Fonte de Onde Brotam as Bestas’ de 01:28’ minutos e inclusa no novíssimo álbum “Era Matarruana”?

Demora precisamente 01:28! ahahaha. Agora a sério, não há um padrão certo em RDB.  Uma música tanto pode demorar 1 hora a fazer como pode demorar dias a fazer…depende da disponibilidade que temos em trabalhar juntos nos temas.

Hintf: De que forma se dá o vosso processo criativo, é esforço conjunto de todos os elementos da banda ou cada um fica com partes delineadas e vão elaborando em conjunto?

Practicamente todos os temas são trabalhados por todos na banda. Por vezes há temas que são trabalhados inicialmente por um dos elementos mas depois acaba por ser modificado na sala de ensaios. Quando o objectivo é compôr, todos participamos.

Hintf: De onde vos surgem as ideias para as temáticas dos álbuns e que são tão específicas e atípicas?

As ideias para as temáticas surgem no seio da banda e por algo comum com os elementos da banda. Há depois um aprofundar ou detalhar do que serão os títulos das músicas, mas é tudo trabalhado no seio da banda. No Era Matarruana foi o Daniel Gamelas [Vocalista] que possui um conhecimento mais vasto das divindades/lendas e povos da Península Ibérica na Proto-História ou a partir desse período, que desenvolveu mais o conceito embutido na “Era Matarruana”. Mas como disse atrás, acaba por ser sempre um trabalho conjunto.

Hintf: Falem-nos um pouco do novo álbum, o “Era Matarruana” que lançado no passado 27 de Abril pela Vomit Your Shirt abre também um novo capítulo na História Mundial. Uma nova Era que aprofundadamente investigaram ao longo dos últimos 7 anos. Que Horda Maçarra é esta que labora com Martelos de Larouco e invoca colossais serpentes? J

Essa Vasta Horda Maçarra, repleta de seres crus e sem piedade que habitam na Era Matarruana, adoradores do abismo da Serpente Colossal que aparecem sob As Forças Ocultas dos Cromeleques nos seus Falos em Pedra, provocam o Devaneio do Homem Cabra que, de vez em quando, labora com os Martelos de Larouco e outras divindades pagãs; dizima de forma crua e bruta com Chamas Sacrificiais gritando “Reve Marandicui”. Depois, Sob a Égide do Deus Cornudo, apodera-se do Trono Nocturno do Matarruano onde, rodeado por Rodas em Chamas, provoca o Ressurgimento do Índigena Serrano que surge, ao fundo, junto do Calhau do Quintal, ladeado pelo Eterno Cro-Magnon Solsticial e, finalmente, satisfaz a sua sede na Fonte de Onde Brotam as Bestas.

Hintf: Falando também um pouco da vossa editora que tão hercúleo trabalho tem feito em prol de bandas nacionais praticantes do metal mais extremo, surge a Vomit Your Shirt para colmatar um pouco a lacuna nacional existente nesta área tão específica, Micael?

Na altura  a Vomit Your Shirt surgiu no sentido de poder promover o trabalho da banda que tinha na altura [Necrose] pois, como banda do interior do país, era para nós difícil  chegar aos grandes centros… Na verdade a sua criação data de 2001 mas só em 2005 lhe demos nome….a partir daí começou-se a lançar o material de RDB e houve a possibilidade de split releases com outras editoras e a fazer lançamentos de outras bandas até aos dias de hoje. É verdade que nestes anos poderíamos ter feito mais lançamentos mas possivelmente não teríamos a possibilidade de fazer o trabalho que fazíamos por cada lançamento, como fizemos até aqui, ou seja, promover e fazer distribuição worldwide para que realmente as bandas tivessem reconhecimento pelo seu trabalho cá e lá fora.

Hintf: Estando em dois lados opostos, como se conjuga a criatividade e originalidade para ambas, neste caso banda e editora e de volta a editora para as outras bandas?

Simples, uma coisa é o trabalho de banda e outra coisa é o de editora.

Hintf: Há certamente alguns critérios mais específicos no que toca a escolher o projeto/banda que vão editar ou promover. Quer adiantar algum destes critérios?

Há vários critérios em que assenta a edição através da Vomit Your Shirt mas os principais serão: ser uma banda de Death Metal, Brutal Death Metal ou Grindcore; uma banda com vontade de trabalhar e que tenha uma boa gravação e conteúdo gráfico; Disponibilidade de edição por parte da editora, entre outros.

Hintf: E a arte visual? Em que se baseiam os vossos pilares para a conceção e criação das capas de álbuns, do vistoso merchandising… Quem são os vossos artistas/designers de eleição?

Isso são as bandas que escolhem mas em RDB na Era Matarruana ficou a cargo do Daniel Gamelas [vocalista da banda] pois, ninguém melhor que alguém dentro da banda para exteriorizar o conceito e ele como artista que é a nível profissional decidimos que seria ele a fazê-lo; com as outras bandas como disse são as bandas que escolhem mas temos tido uma predominância de trabalhos da autoria do Pedro Sena [Lordigan] e a nível de construção de layouts, o Marco Martins [Analepsy] que é também o responsável por todo o grafismo da Vomit Your Shirt.

Hintf: É difícil dar uma ‘nega’ a uma solicitação de algum projeto que não se enquadre na visão da Vomit Your Shirt ou suavemente atestam portas trocadas? J

Por vezes é difícil, quando se trata de bandas de pessoal amigo mas, também não temos capacidade para editar tudo o que aparece, nem é esse o objectivo da Vomit Your Shirt. Actualmente há editoras a fazer um bom trabalho em cada estilo ou em estilos com ligações entre si e se a banda não se enquadra na sonoridade da Vomit Your Shirt deverão procurar uma editora com essa ligação e é isso que é sugerido à banda.

Hintf: Como está a ser recebido o vosso “Era Matarruana” por parte dos vossos muitos seguidores? E que planos têm para o futuro imediato de RDB?

O “Era Matarruana” está a ser bem recebido, apesar de ainda ser muito recente o seu lançamento e de ainda não termos tido a possibilidade de o promover convenientemente a nível de concertos. Esperamos, num futuro muito próximo, conseguir fazê-lo dentro da disponibilidade profissional dos membros de RDB. Apesar de tocar ao vivo ser sempre o que mais gostamos de fazer, mais recentemente não temos tido a possibilidade, como há alguns anos atrás  quando tínhamos de fazer maratonas de concertos. Mas…poderão acontecer…vamos ver o que o futuro nos reserva…

Hintf: Onde e quando vos poderemos ver e ouvir instruir-nos sobre esta nova Era?

Estamos neste momento a agendar alguns concertos para Setembro/Outubro para já…em breve anunciaremos nas nossas plataformas sociais.

Hintf: Por fim, apesar de muitas perguntas ficarem por ser feitas, esta linha é vossa… Deixem-nos alguns dos vossos ensinamentos e também os links certeiros para seguirmos a banda e a editora!

Obrigado à HINTF pela entrevista! Continuem a dar destaque à cena portuguesa tanto cá dentro como lá para fora.

Para os leitores, apoiem as bandas que gostam indo aos concertos (não só nos grandes festivais), comprando a sua música e merch, dentro da vossa possibilidade, claro está.

Divirtam-se à grande e à Matarruano!

Podem seguir RDB em:

www.facebook.com/RDBgrind

https://rdbgrindmusic.bandcamp.com/

Comprar o CD, Tape e Merch de RDB – Era Matarruana em: https://www.vomityourshirt.com/shop

ou enviando mail para: rawdecimatingbrutality@hotmail.com

E a Vomit Your Shirt em:

https://www.vomityourshirt.com

https://www.facebook.com/VomitYourShirt

https://vomityourshirt.bandcamp.com

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*