Left Sun

Entrevista: Left Sun

Por: Miguel Ribeiro

Hintf: Para começar, falem-nos um pouco do historial da banda, do vosso percurso até   formarem os Left Sun , como tudo começou…

Os Left Sun são o culminar de um ‘namoro’ antigo entre o Flávio Silva (voz / guitarra) e o Artur Jorge (bateria), nascido de uma admiração mútua enquanto músicos a viver experiências separadas mas com elos de ligação comuns. Por um lado, tínhamos o Flávio com a banda Dark Radio e o Artur com os FramePictures a partilhar elementos comuns a ambos os projectos, nomeadamente guitarrista e baixista e com o fim desses ciclos, estando a ponte estabelecida, foi muito natural a união criativa de ambos numa única entidade, os Left Sun. Após o pontapé de saída desta espinha dorsal, os outros elementos vieram trazer valor acrescentado à posteriori e hoje são já fundamentais na dinâmica criativa da banda.

Hintf: Quem são os Left Sun de onde vêm?

Os Left Sun são compostos pelo Flávio Silva (Voz / Guitarra), Rui Salvador (Guitarra), Eduardo Oliveira (Baixo), Jorge Oliveira (Electrónica / Teclados) e Artur Jorge (Bateria). Gostamos de pertencer a esta “instituição” a que chamam de área metropolitana do Porto.

Hintf: Quais são as vossas principais influências?

As nossas influências não podiam ser mais vastas, abrangentes e ecléticas, já que ninguém na banda é aquilo a que se chama de “duro de ouvido”. Obviamente, concentramos a nossa sonoridade no chamado maior denominador comum, a música orgânica e elétrica, com reminiscências de experimentalismo. O rock clássico e progressivo dos 70’s, o post-rock dos 90’s e um equilíbrio precário entre a melancolia e a adrenalina fazem parte do nosso ADN. Bandas como Pink Floyd, Soundgarden, Radiohead, Rush, Tool, Yes, Depeche Mode, Steven Wilson, Faith No More e Opeth fazem parte da nossa dieta regular de referências.

Hintf: Podem explicar-nos o significado do nome escolhido para este projecto e o que querem com ele transmitir-nos?

A nossa expressão anglófona permite-nos explorar abundante e profundamente a dualidade quer fonética quer semântica dessa língua, nativa do rock ’n roll. Essa faceta é uma das ferramentas mais utilizadas por nós liricamente e o nome da banda não foge à regra. Left pode perfeitamente inclinar para a “esquerda” ou para algo deixado “a sós” ou “ao abandono” e Sun faz referência à estrela central do nosso sistema planetário ou, talvez, a um som próximo da palavra “son / filho”… As extrapolações são livres e gostamos de acreditar que cada um que olhe para o nosso nome possa fazer a sua própria.

Hintf: Como vêem o atual panorama musical em Portugal? Quais sentem ser as vossas maiores dificuldades em mostrar o vosso trabalho?

Essa é uma excelente pergunta e a resposta é extremamente difícil de dar, pelo menos de uma forma sucinta. Achamos que o panorama português enferma dos mesmos males e desfruta das mesmas qualidades sistematicamente, de uma forma ou outra, de há décadas a esta parte. O panorama musical em Portugal é uma espécie de ‘8 ou 80’, se olharmos para aquilo a que se apelida de “underground”, com uma dinâmica permanente e com massa crítica constante, e para o dito “mainstream”, com um mercado pequeno e insuficiente para que um nível profissional possa ser mantido de forma consistente, salvo excepções que se contam pelos dedos. O terreno entre ambos é um verdadeiro “limbo”, uma espécie de quinta dimensão onde artistas e bandas que se enquadram no patamar intermédio entre o amadorismo optimista do “underground” e o gigantismo das máquinas logísticas apoiadas nos “mass media” típicas do “maistream” simplesmente não subsistem, não encontram parceiros e, por isso, não encontram mercado e público. Infelizmente, esse parece ser o espaço dos Left Sun nesta altura.

Hintf: Como estão a nível de edições discográficas(singles, eps, albuns)?

Editamos no início de 2017 pela editora Ethereal Sound Works o nosso primeiro álbum. Dele sairam um single e video clip (filmado e realizado por Manuel Silva) “Concealed Needs” e também foi feita uma edição para as plataformas digitais em exclusivo de um segundo single, “Blaze”. O nosso álbum é homónimo e despido de quaisquer tipo de imagem. É um risco assumido o de depender apenas e só da música que ele contém para chamar a atenção das pessoas, mas acreditamos que estas músicas têm suficiente força para “pagar todas as facturas” sozinhas. De resto, ainda estamos a ultimar uma pequena metragem baseada no tema instrumental “Elysian Hope” que contamos lançar a breve prazo.

Hintf: Como está a vossa agenda?

Para já, sem agenciamento ou parceiros que possam de alguma forma ajudar-nos a marcar uma série de concertos, o que normalmente chamamos de “estrada”, estamos a planear concertos caso a caso. Iremos brevemente anunciar algo em nome próprio, que possa em conceito fazer justiça em palco à sonoridade explorada por nós em estúdio com este álbum. Não estando em condições de o confirmar neste momento, nem datas concretas nem em quais, vamos fazer um périplo pelas FNAC e há também um par de clubes que poderão ser local de concertos para os Left Sun.

Hintf: E a nível de projectos para o futuro,quais são os vossos maiores desejos?

De forma implícita, a resposta pode já estar encontrada na questão anterior. Achamos que seria um passo em frente decisivo e estruturante para os Left Sun se encontrássemos um parceiro ou parceiros que pudessem colmatar a nossa lacuna naquilo a que se chama de agenciamento ou “management”. A todos os restantes níveis, só podemos estar optimistas quanto ao nosso futuro, já que estamos praticamente a finalizar a pré-produção do nosso segundo álbum e apontamos entrar em estúdio para gravar o material novo durante este próximo verão. Se tudo correr bem, no final deste ano – início do próximo será editado.

Hintf: Deixem uma mensagem aos nossos leitores e aos vossos fãs…

A nossa mensagem só pode ser de grande gratidão para com todos os que ouvem a nossa música e que nos permitem este exercício de partilha de sensações. O nosso único propósito é esse. De alguma forma, por pequena que seja, poder tocar alguém com aquilo que criamos. Devolver aos outros o que os outros dão aos Left Sun através da inspiração que nos transmitem, artística e humana. É a música que nos permite viajar todos juntos. Um grande obrigado em particular à Hintf Magazine por esta oportunidade. Bem hajam.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*