Disassembled

Banda: Disassembled

Titulo: “Portals To Decimation”

Editora: independente

Data de Lançamento: 20.Abril.2018

Antes de qualquer linha ou nota introdutória relativamente ao disco que nos é proposto escutar, adverte-se o futuro ouvinte e presente leitor, que este é um registo que deve ser escutado de olhos vendados. O ideal seria não se ler aqui antes o nome da banda em questão e colocar-vos ouvidos adentro apenas a musicalidade proposta. E isto porquê… porque simplesmente os ‘pre’conceitos – no sentido de pré-concebidos e não pejorativamente falando, irão cair por terra.

Mas a César o que é de César. Disassembled é a banda em causa, á atual data de 2018 um trio formado por artistas já de renome do nosso panorama do metal nacional e apesar de apenas agora ter sido editado o seu 1º álbum de originais de forma independente (no passado dia 20 de Abril) já contam com algum tempo de existência, e inicialmente formados em 1994. Com as justificadas paragens por força de alterações de lineup e tomada de outras direções pessoais no que à música lhes diz respeito, o tão aguardado álbum para quem lhes conhece os trabalhos anteriores, está finalmente cá fora.

O death metal é a espinha dorsal de eleição da sua vertente sonora e esta suporta-se neste registo de sólidas bases de progressivo e técnico, que se fundem com o melódico e confluem numa peça intitulada de “Portals of Decimation”. Arrisca desde já quem escreve a dizer que este é um dos álbuns revelação para o ano de 2018 e em nada influi os elementos constituintes dos Disassembled a não ser enquanto veículos transmissores de uma Arte comungada e agregadora de simbióticas relações decompostas em 9 temas precisos, limpos, diretos e acutilantes; um verdadeiro arrojo musical destes criativos.

A voz de Sérgio Afonso (Bleeding Display) está ‘irreconhecível’, é soberbamente segura como se este sempre fosse o seu registo vocal; o dedilhar no baixo de Alexandre Ribeiro (GroG) é único e no entanto aqui a face oculta agora revelada e de Samuel Trindade há que dizer que além de assumir as guitarras, a programação e samples ainda a coragem de se manter fiel e convicto na idealização e agora finalmente a corporização deste registo maturado ao longo de uma década.

“Portals of Decimation” é de facto um portal que se abre a uma experiência sonora avassaladora, atinge-nos que nem um raio fulminante e que inebria o ouvinte à sua passagem.

E um disco tecnicamente executado na perfeição, rápido, dinâmico e com uma complexidade de sons desconstruídos em notas que se soltam melódica e intensamente vibrantes. Se podemos destacar algum tema?, claro! Todos os 9 escolhidos, são peças de um puzzle já montado para apenas desfrutarmos da paisagem sonora que se instala.

Nota de relevo também para os convidados Miguel Tereso, João Paulo e Pedro D-Void que emprestam um pouco da sua Arte e virtuosismo e reforçam o conseguido pela base de Disassembled.

A reter, Disassembled e “Portals of Decimation”, este que se apresenta com arte de capa do também artista nacional Pedro Lordigan.

Pontuação: 9,6/10

Por: Paula Antunes

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*