Auri

Entrevista: Auri

Por: Paula Antunes

Hintf: Primeiro deixem-nos agradecer o vosso tempo para com esta entrevista! E para abrir o apetite, digam-nos quem são os AURI e porque se juntaram para formar este projeto uma vez que todos estão/estavam ativos em outras bandas?

Auri é o recreio de três amigos chegados, ligados pelo amor a bons filmes, livros, vinhos, humor, e a vida em si. Desde o dia em que os três nos conhecemos, acho que foi óbvio a todos que em alguma altura certamente iriamos fazer música juntos. Ao longo do tempo foi como se andássemos a evitar percorrer este caminho, colaborando apenas nos álbuns uns dos outros. Ainda assim, foi apenas em 2017 que nos apercebemos que finalmente era a altura de dar o passo final e mergulharmos de cabeça em Auri.

Hintf: Na vossa biografia fornecida à Imprensa, sustentam várias razões para a escolha do nome da banda. Querem sucintamente explicar-nos a mais importante destas razões e em que se basearam para esta escolha?

Como disseste, houve várias razões. A palavra “aura” é antiga, derivando dos primórdios do Latim, e que significa ar, brisa ligeira, e também emanações douradas em outras inflexões. Isto é tudo significados que pensamos assentarem perfeitamente na qualidade desta música. Também, Auri é um nome feminino finlandês e o nome de uma das minhas personagens preferidas de sempre da literatura dos livros do Patrick Rothfuss. Acho que foi o último prego do caixão ao escolhermos este nome em particular. Nos livros, Auri é mágica, um ser quase etéreo, que vive nas escuras dimensões das profundezas, escondida dos olhos do mundo, apenas saindo ao luar para se sentar nos telhados do mundo e se maravilhar com as estelas. Ela é cheia de segredos e cicatrizes, infinitamente intrigante, bela e desconcertante.

Hintf: Os AURI lançaram o seu homónimo álbum de estreia “Auri” no passado dia 23 de Março. Como tem os vossos seguidores recebido este outro lado dos vossos percursos musicais?

Para vos dizer a verdade, temos estado absolutamente pasmados com toda a reação positiva e as criticas. Parece que temos muitas almas gémeas por aí. Escusado é dizer que nos faz infinitamente estáticos e já a ansiarmos com os dias em que poderemos partilhar esta música ao vivo com todos os amigos “Aureans (Aureanos)”!

Hintf: “Auri”, o disco, é muito pacificante e sonhador, eu pelo menos senti-me transportada a um desejado mundo, pleno de alegrias e paz, luminoso, e numa constante sensação de calor e invisíveis abraços; estavam os três a precisar desta pausa da correria do dia-a-dia?

Definitivamente! Eu acho que a vibração comum era uma espécie de euforia de exaustão de todas as maravilhosas aventuras que cada um de nós tem tido nas suas carreiras em separado. Acho que todos sentimos que fizemos o melhor que podíamos, dado o que tínhamos aos nossos projetos e estávamos numa espécie de falta de ideias do que fazer a seguir. Nesse sentido, Auri não poderia ter entrado em tão oportuna altura nas nossas vidas. O que fez foi dar-nos uma tela novinha em folha para criarmos, sem pressões, prazos ou expetativas de qualquer espécie. E verdade seja dita, de repente deparamo-nos connosco de volta ao ativo, a vogar ondas de criatividade sem ninguém a opinar, sentindo-nos vivos e revigorados.

Hintf: A fonte do vosso logótipo para AURI é também muito bonita e relacionada com o mundo Celta, com runas legíveis. Quem concebeu a arte visual de AURI?

Um dos meus refúgios pessoais é o videojogo ‘Skyrim’, que é também outra das adoráveis dimensões a acrescentar a Auri. O estilo do logo é inspirado pelas runas usadas no jogo. Eu desenhei-o e a Janne Pitkänen, a nossa brilhante amiga artista e guru de software de computadores, fez também a estrutura do booklet do álbum e criou os nossos lyric vídeos, e deu-lhe o seu toque final.

Hintf: Voltando ao estreante álbum “Auri”, falem um pouco mais da sua ideia conceptual, a história por trás das canções; suas influências e inspirações?

“Auri” é a ideia destilada e residual de todas as coisas que nos fascinam. Não temos um conceito em concreto para além disso. Apenas abram os vossos corações e deixem sair o que for nesse momento. O álbum está cheio de pequenos detalhes, temas e tópicos, mas em vez de os revelar e estragar toda a diversão, queremos dar ao ouvinte a hipótese de ele mesmo escrever a sua própria história para a música, peguem no que ouvem e sigam esse caminho. Não há certos ou errados no que toca a interpretar uma canção. É sempre uma viagem pessoal.

Hintf: Estão os AURI destinados a ser uma banda a tempo inteiro ou por agora ainda na fase do ‘vamos ver o que o futuro nos reserva’?

Sem dúvida que fantasiamos com o future, fazer um segundo álbum e até mesmo fazer uma tournée a dada altura. No entanto, a seu tempo, a estimativa para esse próximo passo será algures perto de 2020. Comparado com os set anos de espera para o lançamento deste primeiro disco, nem é assim tanto tempo de espera! Mas agora que começamos, nada nos vai parar. As rodas estão em movimento e mal podemos esperar para ver onde elas nos irão levar!

Hintf: Obrigada pela belíssima banda sonora que acompanhou a escrita destas perguntas e o resto é convosco… linha aberta, acrescentem o que quiserem!

Adoro a referência ao álbum como “banda sonora”! Penso que encaixa perfeitamente. Obrigada pela simpática conversa. Fairfarren! (que possas viajar seguro sob céus justos!)

Felicidades,

Johanna

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*