Paradise Lost

Banda: Paradise Lost

Titulo: “Host – Remastered”

Editora: Nuclear Blast

Data de Lançamento: 16.Março.2018

Cumprindo-se oficialmente este 26 de Março do corrente ano exatamente 30 anos de existência e carreira enquanto banda e com um legado musical que é inegável em termos da razão quantidade/qualidade, e se isto não for suficiente para espicaçar a curiosidade, então refira-se também que esta nota introdutória é acerca de um dos coletivos percursores do estilo Doom/Death Metal a nível mundial, a par dos seus conterrâneos Anathema e My Dying Bride, os icónicos Paradise Lost.

Com isto dito, e em jeito de celebração mais que merecida desta carreira e em colaboração com a sua atual editora, a Nuclear Blast Records, lançou-se no passado 16 deste Março a versão remasterizada do seu 7º álbum de originais, o mítico “Host” que em 1999 e talvez por coincidência com a eminente viragem de século e milénio, os faz também virar a sua veia musical mais pesada de Doom e extrema de Death metal para a bem recebida incursão nas áreas do Rock eletrónico e do metal gótico, apesar de toda a controvérsia por trás desta linha musical e estética visual assumida com este lançamento.

De “Host” de 1999 de onde saíram hinos como ‘In All Honesty’, ‘It’s Too Late’ ou ‘Made The Same’, pouco há a dizer, acaba por ao fim de 20 anos ser um álbum que se mantém atual e que se mescla perfeitamente com o que se vai produzindo no moderno Rock/Gótico mais comercial.

Da versão remasterizada, “Host – Remastered”, há que dizer que sim, esta sonoridade melódica e sintetizada mantém-se como se acabada de ser composta/criada, as influências de rock/pop eletrónico de uns Depeche Mode por exemplo são bem patentes; apesar do uso de bateria eletrónica e da sobreposição dos teclados às guitarras, o que se realça na arte de Paradise Lost e seus arriscanços musicais é de facto a característica sombria e profunda das suas letras e a soturnidade vocal de seu intérprete.

De referir ainda que esta versão remasterizada de “Host” conta também com a limitadíssima edição de apenas 300 cópias em vinil, e os 13 temas que perfazem este set de 53 minutos ficam agora disponíveis para audição neste formato para os colecionadores mais acérrimos da obra de Paradise Lost. 

Pontuação:  7,2/10

Por: Paula Antunes

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*