Dogma

Banda: Dogma

Titulo: “Reditum”

Editora: Independente

Data de Lançamento: 10.2017

Os Dogma são um coletivo de atualmente seis elementos que teimosamente – e bem!, veiculam a sua arte musical nas vertentes gótico/doom metal, cantando na língua de Camões. Tendo-se formado este coletivo lisboeta em meados de 1996 e com uma breve pausa na sua atividade, reúnem-se como uma fénix renascida para concretizar o há muito desejado lançamento do seu primeiro registo em formato longa duração, o álbum “Reditum”.

Editado no passado Outubro de 2017 de forma independente, “Reditum” surge numa estrutura de 10 faixas que engloba a versão melhorada dos temas inicialmente inclusos na sua demo de estreia (da faixa 2 a 6) e outras 5 criações originais, comprovando também o porquê do regresso de Dogma sempre ter sido ‘apetecido’ por parte dos seus seguidores e público mais entusiasta do nosso metal gótico/doom.

“Reditum” traz-nos uma também renovada e diferente abordagem ao estilo folk e rock, com a habilmente doseada quantidade de elementos musicais que diferem de tema para tema, escavando um belo caminho de descobertas sonoras, caminho este que nos é iluminado pela melódica e doce voz de Isabel Cristina (Insaniae).

São 57 minutos de viagem musical, e como os próprios referem, uma viagem lírica com destino final no caos e na tristeza, tópicos negativos e que produzem antítese artística; em “Reditum” nada há de caótico ou triste, há organização e método de trabalho que culmina num resultado de calma e serenidade, com um misto de saudade e sonho. A exploração rítmica das secções de cordas é sublime, com riffs de guitarra que soltam lamentos complacentes e acordes de baixo graves que conferem o peso das emoções cantadas. A bateria é compassada mas dinâmica, preenchendo intervalos de transição que poderiam ser mais arrastados e assim soam frescos e revigorantes.

Em ‘Sangue e Frio’ e ‘Novo Senhor das Cinzas’ há a plena captação e transmissão musical da ideia de Dogma, o convite ao mergulho no abismo criativo de seus temas, pontuado de agudizada agressividade mas envolto em esperança.

“Reditum” é assim um muito bem-vindo renascer das cinzas dos Dogma, pulsante de emoções e digno de ser apontado como um excelente álbum de estreia e o portão escancarado a que mais destes trabalhos venham no futuro.

Pontuação:  8/10

Por: Paula Antunes

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*