The Singer Is Dead

Entrevista The Singer Is Dead

Por: Miguel Ribeiro

 Hintf: Muito obrigado por esta entrevista, por favor, digam-nos como tudo começou e quando?

Tudo começou quando o meu irmão Dario (guitarra) no começo de 2012 me disse: “Por que não formamos uma banda de pós-rock?” E eu respondi: “Por que não?”. Nós tocamos em muitas bandas antes e na mesma banda  muitos anos, mas nunca  numa banda pós-rock, então colocamos um anúncio  num site de músicos e encontramos outros dois membros, Dario (bateria) e Marco (baixo) e começamos a compor músicas.

– Hintf: Porquê o nome The Singer is dead?

É uma história engraçada. Nossa primeira sala de ensaio, foi o lugar clássico onde todos os músicos começam,  pagas duas horas por semana e tocas. A rapariga que geria o estúdio ouvia do lado de fora a nossa música e gostava muito. Depois de algumas semanas, ela nos perguntou por que estávamos sem cantor. Nós pegamos com ela  e o Dario (baterista) disse: “Porque o nosso cantor está morto”, com um ar triste. Ela ficou desapontada e pediu desculpas, mas dissemos imediatamente que estávamos a brincar e rimos juntos. Nós ainda não tinhamos escolhido o nome, e nós não queriamos o clássico nome evocativo pós-rock, então dissemos “Ei! Este é o nome! Esta é a resposta para a mãe de todas as perguntas que eles fazem às bandas de pós-rock! Nosso nome será The Singer is Dead!

– Hintf: Muitas mudanças no alinhamento?

Não, apenas uma. Depois que gravamos o nosso primeiro ep e fizemos alguns espectaculos ao vivo, Marco, nosso baixista, foi forçado a deixar a banda. Somos de Milão, e ele era de Treviso (cerca de três horas de Milão), mas ele estava a estudar em Milão. Quando ele terminou de estudar, ele teve que voltar para casa. Colocamos outro anúncio em sites de músicos e tivemos muita sorte, na primeira resposta encontramos Francesco, um bom baixista e um bom  homem.

– Hintf: O que influencia a vossa música?

Nós temos tantas influências diferentes. Dario, o baterista, escuta muitas bandas pós-rock, mas também rock e metal de matemática avançada, Francesco veio da música techno e do clubbing, ele tem muitas habilidades em música eletrónica. Dario, guitarrista, veio do emo-punk e ouviu tantos gêneros diferentes como indie, pós-hardcore, pós-rock, agora está um pouco focado em compositores. Eu ouço muitos géneros diferentes, art rock, pós-hardcore, indie, mas também drone-music e música eletrônica alternativa. Em comum, temos o amor por bandas pós-rock como 65daysofstatic, And So I Watch You From Afar e todas as bandas que derivam do post-rock clássico.

– Hintf: Por favor, contem-nos mais sobre o  álbum “\\” …

Quando começamos a compor músicas para o novo álbum, queriamos dar um passo à frente do nosso primeiro ep. Queríamos nos envolver e elevar a fasquia, então tentamos fazer coisas diferentes com sintetizadores e eletrônicos estranhos, quebrando ainda mais as estruturas. Na verdade, levamos muito tempo para voltar ao estúdio, três anos.

– Hintf: Quais eram as vossas expectativas para este álbum?

O mais importante para nós é crescer como banda, e é o que tentamos fazer com esse álbum, então é importante para nós que as pessoas que nos ouvem percebam esse crescimento. Nós não temos fronteiras, por isso queremos colocar todas as nossas influências dentro da nossa música e fazer sempre algo novo. Também os críticos e as webzines apreciam este crescimento, e estamos satisfeitos com isso, mas queremos dar mais um passo em frente para o próximo álbum e já estamos a trabalhar nisso, mas não esperamos ter um novo álbum em breve. vai demorar muito tempo.

– Hintf: Um conceito especial?

Não é um conceito real, tentamos fazer sentido de todo o álbum, também com a  arte, mas não dando uma história ou uma interpretação. Podem sentir as sensações que tentamos dar às nossas músicas, especialmente no último momento em que  podem ouvir a transição da melancolia para a raiva, por dar um toque especial ao final do álbum. Mas é apenas música e, sem palavras, gosto de imaginar fotos e histórias. Vamos fazer com que todos façam o seu próprio filme pessoal com a nossa música.

-Hintf: Por que publicar rock / math rock e ser uma banda instrumental?

Eu e o meu irmão somos dois cantores e guitarristas, mas quando decidimos formar uma banda de pós-rock, ficamos um pouco entediados com as estruturas e bandas padrão da música . Nós nunca tocamos pós-rock antes dessa banda.

Também Dario e Francesco queriam tocar algo totalmente novo a partir de experiências passadas e queriam experimentar sem fronteiras e se divertir.

Foi como começar a tocar novamente desde o começo. É uma experiência desafiadora durante a qual  nunca paras de aprender.

Portanto, a resposta simples é: porque queremos  sentir-nos livres.

– Hintf: Como é a cena musical na Itália, Milão?

Eu acho que a cena musical indie / underground na Itália é tão viva e vibrante, mas um pouco fechada em si mesma,  há tantas bandas boas, mas eu acho que deveria haver um pouco mais de interesse das pessoas.

– Hintf: Quais são os vossos planos para o futuro?

Nossos planos são tocar o máximo possível nos palcos e levar um pouco menos de três anos para escrever o novo disco!

– Hintf: Qual a vossa opinião sobre Portugal?

Eu estive no Porto em setembro e  adorei! Em Julho voltarei novamente, mas a Lisboa para o NOS Alive para ver The Nacional e Queens Of The Stone Age e visitar a cidade. Não conhecemos muito a música portuguesa, mas conhecemos um bom post-rock português, os Indignu.

– Hintf: Algma coisa que  gostariam de dizer não foi perguntada?

Eu acho que já falei demais!

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*