Perpetratör

Entrevista Perpetratör

Por: Miguel Ribeiro

Hintf: Muito obrigado por aceitarem ser entrevistados por nós.Quem são os Perpetratör quando e como começaram?

Marouco: Em 2002 o Rick gravou uma demo chamada com uma banda Axe Murderers que infelizmente só durou 3 meses. Desde essa época que lhe apetecia ter uma banda Thrash.Um dia depois de um ensaio com Filiinigrantiuminfernalium o Belathauzer deixou a guitarra em casa do Rick, e ele, com um microfone muito rasco decidiu brincar ao Thrash Metal e gravou umas duas musicas na onda de ToxicHolocaust, as quais mostrou ao Paulão que disse que estava ali uma coisa jeitosa. Passados uns anos o Paulão finalmente chateou o Rick o suficiente para pegarem no projecto e de uma assentada o Paulão compôs e gravou o álbum de estreia,‘ThermonuclearEpiphany’. O resultado estava espectacular em termos sonoros e compositivos. Eu tinha voltado de Espanha havia pouco tempo e o Rick lembrou-se de mim para fazer parte de Perpetratör como guitarra solo, eu disse que sim porque tinha gostado das musicas e também porque para ajudar amigos um gajo está sempre disponível, e foi juntar o útil ao agradável. Tivemos que arranjar um baterista o qual encontrámos na pessoa do Ângelo Sexo. O Ângelo tem problemas cardíacos, aliás o pai e a mãe dele infelizmente já faleceram desses mesmos problemas, e por isso ele só grava não tendo disponibilidade para concertos. Assim a formação completa é Rick na voz e baixo, Paulão guitarra ritmo e produção, Marouco na guitarra solo e Ângelo na bateria.

Em 2014 conseguimos contrato com a editora americana StormspellRecords, a qual foi uma grande ajuda para dar a conhecer Perpetratör no underground do verdadeiro Thrash Metal, pessoal com o mesmo gosto musical que o nosso, sem modernismos nem grooves. O álbum teve boas críticas a nível mundial, e entretanto o Nuno da Caverna Abismal mostrou interesse em editar o disco em cassete.Essa edição foi feita a par de uma cerveja caseira limitada a 50 garrafas de meio litro,PerpetratörNukeLäger. Também fomos convidados para fazer parte de um split em vinil com os ingleses Hellbastard, ‘ApocalypticMutations’ de seu nome, tem 3 temas em um. Passados 4 anos decidimos editar o segundo disco através da Caverna Abismal porque temos plena confiança no Nuno e também para evitar problemas na alfândega, porque a Stormspell quando nos enviava os cds era uma guerra com aquela gente. Uns passavam outros tínhamos de nos chatear com eles para os receber. O ‘AlteredBeast’ foi gravado na mesma sessão do ‘ThermonuclearEpiphany’ mas o Paulão teve 4 anos para melhorar e muito o som.Como tivemos de dar 3 temas para o split o Paulão compôs mais uns 4 temas e completámos o disco no verão passado. O Rick fez um esboço da capa e enviou ao André Coelho que fez um excelente trabalho tanto na capa como no booklet. Gravámos uma versão de um projecto americano de nome PontiusProphet com a ajuda vocal do Flávio Lino ao qual agradecemos porque o resultado final ficou espectacular.

Hintf:Qual é a melhor forma de descreverem a vossa sonoridade? Quais são as vossas principais influências?

Marouco: As nossas principais influências são a trindade alemã Sodom, Kreator e Destruction a par dos deuses Slayer, entre muitas outras…Razor, Artillery, Protector, Annihilator, Coroner, etc.

Tocamos Thrash Metal sem modernismos e sem tentar inovar, tocamos a música que queremos e gostamos de ouvir, qualquer fusão com metalcores e nu metals e essas coisas todas estão totalmente fora dos nossos objectivos e ouvidos.

Hintf:Como foi recebido o vosso álbum “AlteredBeast” por parte do público e da Imprensa?

Marouco: O Nuno fez uma promoção bastante boa para uma editora relativamente pequena, temos reviews um pouco por todo o mundo quase todas boas e a entenderem que não queremos fazer nada de novo, as vendas estão a correr bem, já esgotámos uma edição da cassete, e o cd está a ter o mesmo destino.

Hintf: Como se definem ao vivo?

Marouco: Nós só demos um concerto por uma grande insistência do Carlos da Notredame. Eu estou a viver no Algarve, o Rick tem os Ravensire e os FiliiNigrantiuminfernalium e tem uma agenda de concertos, ensaios, um bocado apertada, oPaulão ganha a vida como produtor e não pode perder fins-de-semana com concertos, a não ser que sejam pagos…aliás ele também toca numas quantas bandas punk, AlbertFish, Decreto 77…O Ângelo devido à sua doença nunca está disponível para concertos logo temos que “alugar” um baterista…os custos sobem muito e aqui em Portugal pagam aos de fora e dão sandes aos de aqui por isso é extremamente difícil que Perpetratör dê muitos concertos. O único que demos foi no festival Sardinha de Metal e correu muito bem, levámos umas surpresas para o palco e no fim correu melhor do que o esperado, nós gostámos e o público também.

Rick: Apesar de sermos um projecto lá fomos desencaminhados pelo Nuno da Caverna Abismal para ir tocar no Masmorra, o festival dele… iremos com muito prazer. Provavelmente não haverá outra oportunidade de ver Perpetratör em palco tão depressa, se de todo.

Hintf:Várias pessoas afirmam que os melhores álbuns são os álbuns ao vivo, vocês partilham a mesma opinião?

Marouco: Epá eu gosto muito do ‘Made in Japan’, ‘LiveAfterDeath’, ‘Rainbowonstage’, ‘Kiss alive’, ‘Mortal Wayof Live’ mas não partilho dessa opinião,quando muito um álbum de originais gravado ao vivo como fizeram os espanhóis Muro no primeiro disco.Prefiro originais.

Rick: O ‘LiveAfterDeath’ mudou todo o meu futuro quando eu tinha 14 anos, e há outros álbuns ao vivo muito bons, alguns dos quais semi-ao-vivo, como o ‘Live Undead’ (outro com enorme impacto na minha vida) e o ‘Unleashed in theEast’, mas também não os prefiro aos de estúdio.

Hintf:Qual consideram ter sido o ponto mais alto da vossa carreira?

Marouco: Éo momento que estamos a viver agora, com cassetes esgotadas que entretanto já foram reeditadas, os cds estão a acabar, muito interesse por parte da imprensa com muitas entrevistas, tanto em revistas e zines como em rádios.De momento a vida corre bem.

Hintf: Quais os vossos planos para o futuro?

Rick: O meu plano pessoal para o futuro é que a minha vida continue a ser o Metal por muitos anos, e que Perpetratör continue a ser uma parte importante disso. O futuro há-de ser esperar que o Paulão tenha tempo para pormos as coisas a andar outra vez e gravar um terceiro álbum… mas pode ser que antes se grave uma espécie de um EP qualquer… Temos de nos juntar e falar sobre isso, havia umas ideias no ar. Fora isso, o plano é sempre gravar Thrash Metal como ele era nos anos 80 e como achamos que deve continuar a ser.

Hintf: Deixem aqui a vossa mensagem para quem vos ouve e segue e aos leitores da Hintfwebzine…

Rick:Antes de mais obrigado à Hintfwebzine. A quem nos ouve e apoia, os nossos sinceros agradecimentos. Aos resistentes que mantêm viva a chama do verdadeiro Heavy Metal, as nossas metálicas saudações. Aos que acham que deveríamos tentar ser originais e talvez meter um som mais à Pantera ou assim e assado ide chupar um pepino. Metal attack!

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*